‘Estou vivo!’, comemora Agnaldo Timóteo após ficar meses internado devido a AVC

Reprodução

Agnaldo Timóteo comemorou o fato de estar vivo durante o programa Conversa com Bial nesta terça-feira, 10. Em maio, o cantor foi internado em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Barreiras, no interior da Bahia, com pressão alta de sofreu AVC. Uma semana depois, o quadro de saúde dele piorou e chegou a respirar com ajuda de aparelhos.

“Eu estava morto. Tanto que o jornal botou: ‘Morre Agnaldo Timóteo’. Mentira! Eu tô vivo, seu canalha!”, disse o cantor durante bate-papo com Pedro Bial. Após ficar um tempo na UTI e apresentar episódios de confusão mental, Agnaldo Timóteo ainda recupera os movimentos das pernas. Para isso, realiza sessões de fisioterapia.

“Você sabe que as pessoas que entendem Agnaldo Timóteo, que gostam de Agnaldo Timóteo, rezaram muito por mim e Deus me atendeu. E eu estou vivo!”, comemorou. Agnaldo Timóteo é conhecido pelos sucessos românticos e gravou 74 discos. Durante o programa, recebeu o carinho dos fãs, que gravaram vídeos em sua homenagem.

Almoço de confraternização dos funcionários do cartório de Xinguara

Com a presença do casal Dr. Adhemar Pereira Torres e Dra. Yolanda Ohashi Torres, oficiais do Cartório do Único Ofício de Xinguara, foi realizando ao meio dia desta quarta-feira (11/12), o almoço de confraternização de fim de ano dos funcionários do cartório, que transformaram o ambiente festivo em um momento de alegria e integração familiar.

Como é de praxe acontecer, Dr. Adhemar ressaltou a importância de cada um dos servidores do cartório na desafiadora luta de transformar a instituição em um local cada dia mais preparado para atender e servir à população.

“Esse momento é mais que uma confraternização de final de ano, é um almoço em família, já que consideramos vocês nossos colaboradores e parceiros, que ano a ano vem lutando e se preparando para chegar ao que é hoje, uma equipe vencedora e vitoriosa, por isso, à vocês, os nossos mais sinceros agradecimentos e reconhecimentos pelo o ótimo atendimento que proporcionaram aos nossos clientes e amigos durante todo esse ano”, disse Dr. Adhemar.

Como forma de se aproximar cada vez mais dos funcionários e lembrá-los de como seus trabalhos foram importantes para a empresa, a Dra. Yolanda, anfitriã da festa, fez questão de presentear cada um dos colaboradores com uma lembrança, para que todos se sentissem valorizados neste momento especial de fim de ano.

Policial Sílvio André e AABB realizam Natal Sem Fome

Imagem de arquivo

O Natal Sem Fome será realizado nesta quinta e sexta-feiras pelo policial civil Silvio André e amigos da AABB, com um torneio de futebol, onde os atletas farão doação de cestas básicas para posteriormente serrem distribuídas a famílias carentes de Xinguara tos ilvio policial civil e amigos.

No final das competições futebolísticas, os amigos se reunirão e confraternização  para saudar o sucesso do evento, que já dura 14 anos, sendo que na AABB este será o sexto ano consecutivo que a competição é realizada.

“O intuito deste evento é promover um Natal um pouco mais digno as pessoas carentes,pois doar é um ato de amor”, explicou o policial Sílvio.

Nova fase da Lava Jato mira negócios de filho de Lula

Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta terça-feira, 10, a 69ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com o Ministério Público Federal, o objetivo é aprofundar as investigações sobre repasses financeiros suspeitos, realizados por empresas do grupo Oi/Telemar em favor de empresas do grupo Gamecorp/Gol, controladas por Fábio Luis Lula da Silva (filho do ex-presidente Lula), Fernando Bittar, Kalil Bittar e Jonas Suassuna.

São cumpridos 47 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e no Distrito Federal — não há ordens de prisão. A ação é um desdobramento da 24ª fase da Lava Jato, a Aletheia, em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi alvo de uma condução coercitiva em março de 2016 para prestar depoimento.

Os negócios de Fábio Luis na Gamecorpo já foram alvos de dois inquéritos. Um deles, investigava um aporte de 5 milhões de reais da Telemar na empresa do filho do ex-presidente. O outro apurava suposto tráfico de influência para autorizar a compra da Brasil Telecom pela companhia telefônica. As duas investigações foram arquivadas em 2012 por falta de de provas de irregularidades.

A ascensão de Fábio Luis como empresário durante o governo do pai foi revelada por VEJA em outubro de 2006, quando a revista mostrou que, em catorze meses, ele passou de monitor do Zoológico de São Paulo a sócio da maior empresa de telefonia do Brasil naquela ocasião — que contava com dinheiro público na composição de seu capital. “Os 15 milhões de reais investidos pela Telemar na empresa de Lulinha não foram um investimento qualquer. As circunstâncias sugerem que o objetivo mais óbvio seria comprar o acesso que o filho do presidente tem a altas figuras da República”, dizia a reportagem daquela época.

A operação deflagrada nesta terça, batizada de “Mapa da Mina”, foi autorizada pela 13ª Vara Federal de Curitiba e apura crimes de corrupção ativa e passiva, organização criminosa, tráfico de influência internacional e lavagem de dinheiro. Segundo as investigações da polícia, o esquema era feito por meio de contratos de operadoras de telefonia, internet e TV por assinatura atuantes no Brasil e no exterior.

Segundo o MPF, as apurações indicam o pagamentos superiores a 132 milhões de reais, entre 2004 e 2016, realizados sem justificativa econômica “plausível”, ao tempo em que o grupo Oi/Telemar teria sido beneficiado pelo governo federal em decisões no setor de telecomunicações, como um decreto assinado pelo ex-presidente Lula que autorizou a compra da Brasil Telecom pelo grupo Oi/Telemar — medida que já foi investigada em um inquérito arquivado. “Mensagens apreendidas no curso das investigações também denotam que o grupo Oi/Telemar foi beneficiado pela nomeação de conselheiro da Anatel”, diz.

“Provas documentais colhidas, como contratos e notas fiscais, além de dados extraídos a partir do afastamento dos sigilos bancário e fiscal dos investigados, indicam que as empresas do grupo Oi/Telemar investiram e contrataram o grupo Gamecorp/Gol sem a cotação de preços com outros fornecedores, fizeram pagamentos acima dos valores contratados e praticados no mercado, assim como realizaram pagamentos por serviços não executados”, afirma o MPF.

Os procuradores indicam que Fábio Luís, Bittar e Suassuna receberam do diretor de publicidade da Gamecorp em e-mail com um balanço da empresa com a ressalva de que teriam sido “expurgados os números da Brasil Telecom [grupo Oi] que por ser uma verba política poderia distorcer os resultados”. Entre 2005 e 2016 o grupo Oi/Telemar foi responsável por 74% dos recebimentos da Gamecorp.

O MPF também apreendeu uma mensagem eletrônica, de 2009, encaminhada para um diretor e conselheiro da Oi/Telemar na qual consta uma planilha com um repasse de 900 mil reais, deduzido da conta corporativa da presidência do grupo Oi/Telemar e classificado como “assessoria jurídica” — algo que foge, ainda conforme o MPF, dos negócios da Gamecorp.

Os procuradores acrescentam existirem suspeitas sobre repasses do grupo Oi/Telemar para a empresa R.T Serviços Especializados, apontada por ter custeado diversas despesas do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. “Evidências apontam que José Dirceu também participou ativamente de interlocuções em favor do grupo Oi/Telemar com o Governo Federal”, diz.

Na 24ª fase da Lava Jato, que deu origem a esta nova operação, os investigadores queriam esclarecer os favores e milhões de reais que o petista recebeu de empreiteiras envolvidas no petrolão. Entraram na mira dos investigadores o tríplex no Guarujá, que a OAS reformou e mobiliou; o sítio em Atibaia, também equipado e reformado para uso de Lula; os 10 milhões de reais que empreiteiras pagaram à LILS, empresa de palestras do ex-presidente; e os 20,7 milhões de reais repassados por elas ao Instituto Lula.

Pará gerou mais de 200 mil empregos entre janeiro e outubro deste ano

Em 2019, no período entre janeiro e outubro, o estado do Pará registrou 239.948 admissões, contra 224.422 desligamentos, gerando um saldo positivo de 15.526 postos de trabalhos com crescimento de 2,14% na geração de empregos formais no Estado. Os dados são do estudo do Dieese/PA.

Foto: Arquivo / Ag. ParáAinda no mesmo levantamento, o departamento aponta que a maioria dos setores econômicos do Estado apresenta crescimento na geração de empregos formais, com destaque para o de serviços, com saldo positivo de 6.817 postos de trabalhos, seguido pelo comércio, com 4.264 postos de trabalhos criados, indústria de transformação, com saldo positivo de 1.573 postos de trabalhos, e o setor de construção civil, com 1.168 postos gerados.

Os números mostram que, apesar do contexto econômico em que o país se encontra, das dificuldades enfrentadas na oferta de vagas e abertura de novo postos de trabalho, o governo do Estado está trabalhando para possibilitar o fortalecimento da economia e, consequentemente, estimular a geração de emprego e renda no Pará.

Ex-vereador e conselheiro tutelar é assassinado em frente ao filho em Anapu, no PA

Conselheiro tutelar de Anapu é assassinado a tiros. — Foto: Reprodução / FacebookConselheiro tutelar de Anapu é assassinado a tiros. — Foto: Reprodução / Facebook

Conselheiro tutelar de Anapu é assassinado a tiros. — Foto: Reprodução / Facebook

Paulo Anacleto, ex-vereador do PT e conselheiro tutelar em Anapu, sudoeste do Pará, foi assassinado na praça do centro da cidade nesta segunda-feira (9).

Testemunhas disseram à Polícia que a vítima estava em um carro quando uma dupla armada que estava em uma moto disparou diversas vezes. Paulo morreu no local do crime, em frente ao filho.

A Polícia Civil do Pará informou que iniciou as investigações do caso. Segundo as apurações preliminares, uma arma, calibre 38, municiada, foi encontrada com a vitima. Policiais civis de Anapu começaram diligências na região.

Xinguara Moto Clube distribui alimentos em setores da cidade

Neste domingo, 8 de dezembro o Xinguara Moto Clube e amigos realizaram a entrega de alimentos a famílias carentes do Setores Tanaka, Frei Henri e Bela Vista, na cidade de Xinguara.

Os alimentos foram arrecadados durante a celebração do 3º Aniversário do XMC, bem como através de doações de motociclistas.

“Agradecemos a todos que doaram um pouco para saciar a necessidade de outras pessoas. Agradecemos também a quem destinou a manhã deste domingo para ajudar nesta ação social”disse Dr. Cícero, coordenador do Xinguara Moto Clube. 

Moro autoriza envio da Força Nacional para terra indígena no Maranhão

 

Crédito: AFP

(Arquivo) O ministro da Justiça brasileiro, Sergio Moro (Crédito: AFP)

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, autorizou nesta segunda-feira, 9, o uso da Força Nacional de Segurança Pública para atuar na Terra Indígena Cana Brava Guajajara, no Maranhão, onde dois índios foram assassinados no último fim de semana após ataques a tiros.

O texto informa que o objetivo é apoiar o trabalho da Fundação Nacional do Índio (Funai) nas ações de segurança pública por 90 dias, a partir de 10 de dezembro. O prazo pode ser prorrogado caso seja necessário.

O ministério ainda vai definir o número de servidores enviados para a operação.

No domingo, 8, o secretário de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular em exercício no Maranhão, Jonata Galvão, afirmou que o governo federal deveria adotar medidas efetivas para proteger os territórios indígenas do Estado, e não agir apenas após os ataques acontecerem. “São só respostas reativas às barbaridades que têm acontecido. Queremos saber se o governo federal vai ficar reativo aos atentados ou se vai estruturar uma medida concreta e agir para combater esses crimes”, disse.

“Não temos medidas efetivas do ponto de vista da proteção no âmbito federal dentro das terras indígenas no Estado do Maranhão. Os territórios indígenas no Brasil e no Maranhão estão pedindo socorro”, disse Galvão à reportagem.

O caso

No início da tarde de sábado, 7, dois índios da etnia guajajara morreram após atentado a balas às margens da BR-226, no município de Jenipapo dos Vieiras, no Maranhão, 500 quilômetros ao sul da capital São Luís. Segundo a Funai, os indígenas foram atingidos por tiros disparados por ocupantes de um veículo Celta, de cor branca e com vidros espelhados.

Antes, em 1º de novembro, Paulo Paulino Guajajara foi morto em uma emboscada na Terra Indígena Arariboia (MA) quando realizava uma ronda contra invasões.

OAB de Xinguara promove Natal Solidário

Aconteceu nesta segunda-feira (09/12) o Natal Solidário promovido anualmente pela OAB Xinguara, com o objetivo de atender crianças e adolescente carentes desta cidade. Trata-se de um momento de confraternização, onde são distribuídos brinquedos, lanches e brincadeiras para as crianças e adolescentes.

De acordo com o presidente da OAB de Xinguara, advogado Evandro Marcelino (Cacau), o maior presente oferecido às crianças e suas famílias é a demonstração de carinho e de amor por parte dos doadores, voluntários e advogados.

 “É muito importante poder colaborar de maneira tão significativa com uma finalidade tão nobre que é a de ajudar o nosso próximo,” lembra Cacau.

No evento de hoje a OAB atendeu 175 crianças da creche do setor Tanaka e 25 internos da Casa Lar.

Bolsonaro empata com Lula no 1° turno; Moro supera com folga o petista

Enquanto Bolsonaro e seu círculo mais próximo lembram fantasmas autoritários enxergando no horizonte a possibilidade de protestos radicais como os que ocorreram nas últimas semanas no Chile (a repetição disso por aqui representa uma miragem, diga-se), Lula saiu da cadeia justamente convocando a população a ir reclamar nas ruas contra o governo. Assim, os dois extremos vão se retroalimentando, tática que parece funcionar entre boa parte dos eleitores, conforme mostra a nova rodada de pesquisa eleitoral VEJA/FSB. Ambos representam as principais forças do momento, à direita e à esquerda. O primeiro levantamento com o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois de ele ter deixado a prisão em Curitiba mostra o petista empatado tecnicamente com o candidato da situação no primeiro turno, seja ele o presidente Jair Bolsonaro, seja ele o ministro Sergio Moro (Justiça). Nos dois cenários, Lula tem 29% das intenções de voto, contra 32% dos dois adversários — a margem de erro é de 2 pontos porcentuais para mais ou para menos.

A pesquisa anterior, feita em outubro, com a inclusão de Lula, ainda preso, apenas em cenário de segundo turno, mostrava que o petista já era a maior ameaça ao bolsonarismo: ele possuía 38%, enquanto Bolsonaro tinha 46%. Na mesma simulação da nova pesquisa, ambos oscilam dentro da margem de erro: 40% para Lula e 45% para Bolsonaro. A polarização espreme os candidatos de centro, que ostentam porcentuais longe de levá-­los ao segundo turno — Ciro Gomes (PDT), Luciano Huck (sem partido), João Amoêdo (Novo) e João Doria (PSDB) chegam a perder para “nenhuma das alternativas” (veja o quadro ao lado). “Essa polarização interessa a Lula e a Bolsonaro, mas não à maior parte da sociedade”, afirma o cientista político Rui Tavares Maluf, professor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, que alerta sobre o risco de uma nova onda de abstenções e votos nulos e brancos caso o cenário persista, a exemplo do que ocorreu em 2018. “Há as polarizações boas, que contribuem para a democracia, que precisa viver um pouco do conflito. Só que existe a polarização de baixa qualidade, e é isso que estamos vivendo”, diz. Para os especialistas, será difícil alterar o quadro, uma vez que o PT lidera a oposição às agendas econômica e política do governo, enquanto o bolsonarismo se fortalece com o enfrentamento com o petismo. “A política é dual, você é contra ou a favor de um projeto. No mundo político, é muito difícil mesmo circular fora de alguma dualidade”, avalia Rafael Cortez, sócio da Tendências Consultoria Integrada.

A possibilidade de Fernando Haddad ser de novo o candidato petista, uma vez que Lula continua inelegível em razão da Lei da Ficha Limpa, é uma esperança para outras candidaturas, já que o ex-prefeito tem a maior rejeição: 60% não votariam nele de jeito nenhum — Lula tem 56%. Moro é o que melhor aparece nesse quesito, com 35%, condição que ajuda o ministro a conseguir o feito de empatar numericamente com Bolsonaro no segundo turno e derrotar Lula com vantagem maior que a de seu chefe. Já o presidente é rejeitado por 48% do eleitorado, o que pode não ser empecilho à reeleição, como lembra Marcelo Tokarski, diretor do Instituto FSB Pesquisa. “Sempre afirmaram que um candidato com rejeição superior a 40% era inviável. Mas na última eleição Bolsonaro desconstruiu essa tese. Às vésperas do primeiro turno, ele possuía uma rejeição de quase 50%. Um ano depois, o patamar permanece igual, e ele se mantém competitivo”, afirma. Muita água ainda vai rolar até 2022, mas o bolsonarismo e o petismo vão continuar insistindo no mesmo jogo da radicalização, que rende frutos até o momento.