Amigos de Júnior Coimbra estão abalados com sua morte

Júnior Coimbra era bastante conhecido no Tocantins, tendo se destacado como deputado estadual, deputado federal, secretário de governo e prefeito de sua cidade natal, Itaporã. A notícia de sua morte foi recebida com muita tristeza, pela família, pelos amigos e pelos moradores da cidade.

Conheci Júnior Coimbra na casa do Dr. Adhemar Torres, em Xinguara, há anos atrás, quando ele veio fazer uma visitar a seu amigo. Logo tive boa impressão dele, me pareceu, de cara, que se tratava de uma pessoa humilde, amiga e companheira. Ele era assim mesmo, compreensivo, amigo e pronto para ajudar em qualquer circunstância!

Me recordo que as primeiras vezes em que estive em Itaporã, encontrei com ele, uma vez na cidade e outra na fazenda do Dr. Adhemar. Ele gostava da política e as minhas conversas com ele sempre giraram em torno do assunto, algo que ele demonstrava ser apaixonado. 

Dr. Adhemar Pereira Torres

Em 2015, Júnior, à época secretário de Turismo do Governo Federal, esteve em Xinguara para a reinauguração do Estádio J. Santos, veio trazer a seleção de futebol de Itaporã para jogar com a de Xinguara.  Sempre ao lado de seu amigo Adhemar, ele discursou no palanque do evento onde estavam as demais autoridades convidadas.

Percebendo que eu não estava no palanque da festa, ele perguntou por mim: “Dr. Adhemar onde está o Edmar Brito que eu não o vejo?”  Foi então que o Dr. Adhemar disse a ele que eu estava na cabine de rádio para narrar o jogo. Os dois foram até lá me cumprimentar e abraçar, como amigos de verdade.

Em 2016, eu já muito doente, fui a Palmas para fazer exames neurológicos. E para minha surpresa, meu filho, Jimmy Thomas, que me acompanhava na viagem, recebeu um telefonema do Júnior, perguntando onde nós estávamos hospedados. Sem medir esforços, ele foi bater lá. Se colocou à disposição para qualquer caso de necessidade mais urgente da minha doença. Confesso que a atenção que ele me dispensou naquele momento difícil de minha vida, me fez ir às lágrimas.

A morte dele deixou a todos seus amigos entristecidos, em especial, o Dr. Adhemar, pois além de amigos fieis, eles são filhos da mesma Itaporã, cidade que eles aprenderam amar com muita dedicação e respeito. “Chegou o momento de você ir embora, mas no meu coração sempre permanecerá o amigo fiel e companheiro de sempre”, disse Dr. Adhemar.

Ciro Gomes diz que já convidou alguém para vice; e o nome não é do PT

Ciro Gomes, pré-candidato à Presidência pelo PDT, disse que não acredita em formar uma chapa que tenha como seu vice um nome do PT, como o ex-prefeito se São Paulo Fernando Haddad. Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo, o ex-governador do Ceará disse que convidou para o cargo Josué Gomes (PR), presidente da Coteminas e filho de José Alencar (vice-presidente no governo Lula).

Josué é um considerado também pelo próprio PT. Na entrevista, Ciro disse que gostaria de ter como vice alguém do setor de produção ligado ao Sudeste. Quando provocado se Josué Gomes seria um nome, respondeu: “Eu já disse a ele: se quiser, é dele”.

Sobre uma aliança com o PT, hipótese que ganhou força desde que se tornaram públicas reuniões entre Ciro e Haddad, o ex-governador disse considerar a união “possível e até desejável, mas improvável”.

“Nesse momento, existem variáveis pendentes de definição. Do ponto de vista do PT, a mais grave, e eu tenho que respeitar isso com toda dignidade, é o momento que eles estão vivendo. Seu principal líder preso e eles constrangidos a uma solidariedade que ainda afirma a candidatura do Lula, mesmo preso e inelegível. Olho com respeito o tempo do PT, mas toco minha bandinha.” (fonte>CB).

“Sobrevivência do PSDB depende da mensagem que o partido passar”, diz FHC

Nova York — A sobrevivência do PSDB vai depender da mensagem que o partido passar para o povo, disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em rápida entrevista ao Correio. Na avaliação dele, a legenda está enfrentando os mesmos problemas dos demais partidos que foram açoitados por denúncias de corrupção. Não por acaso, acrescentou ele, o Brasil vive um momento muito ruim na política. Há um descrédito generalizado da população em relação aos políticos, provocando uma fragmentação que compromete o futuro do país.

Fernando Henrique reconheceu que a iminente prisão de Eduardo Azeredo, ex-governador de Minas Gerais, acusado de liderar o mensalão mineiro, e a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de tornar o senador Aécio Neves réu no processo em que ele é acusado de ter recebido propina do empresário Joesley Batista são notícias péssimas para o PSDB. E se diz triste. “Vi com tristeza tudo isso, como vi com o Lula (preso na sede da Polícia Federal em Curitiba). Mas quem vai decidir (sobre essas questões) é a Justiça”, afirmou.

O ex-presidente, que acabou de lançar o livro Crise e Reinvenção da Política no Brasil, não escondeu a preocupação com o desgaste dos partidos junto à população e com a divisão do país. “O Brasil não vive um bom momento. E isso tem a ver mais com a política do que com a economia. As eleições estão a caminho, precisamos buscar forças que sejam capazes de unir o país, porque, desse jeito, não se vai longe”, ressaltou. “Essa divisão vai acabar não só prejudicando o país, (vai prejudicar) o povo, que é o mais importante”, frisou.

“Se depender de mim, vamos unir o PSDB com o povo ao redor de temas simples, e que voltem a dar credibilidade aos governos”, assinalou Fernando Henrique. “O futuro do PSDB está como o de todos os partidos, vai depender da mensagem que passar para o povo”, acrescentou. Para ele, o que falta ao PSDB e a todas as legendas é confiança. Os eleitores precisam confiar que os políticos, em sua maioria, estão dispostos a trabalhar em favor da sociedade.

Prestes a completar 87 anos (em 18 de junho), o ex-presidente disse que o mundo está em grandes transformações, e o Brasil não está de fora desse processo. Ao descrever esse mundo novo, ele citou o historiador marxista britânico Eric Hobsbawm. “Vivemos num mundo com grande potencial econômico, com a tecnologia mudando as relações entre as pessoas, mas não sabemos para onde esse mundo vai”, destacou. (fonte>CB).

Pesquisa indica que vírus Zika cura tumor avançado no sistema nervoso

O vírus Zika pode ser usado como ferramenta no tratamento de tumores humanos agressivos do sistema nervoso central. É o que revelou um estudo brasileiro publicado na quinta-feira (26) na revista Cancer Research, importante publicação científica da área oncológica.

O estudo foi feito pela primeira vez em um modelo vivo. Após injetar pequenas quantidades do vírus Zika no encéfalo de camundongos com estágio avançado de tumores, os cientistas observaram uma redução significativa da massa tumoral e aumento da sobrevida dos animais. Em alguns casos, houve a eliminação completa do tumor e até mesmo de metástases na medula espinal.

“Nossos estudos e de outros grupos mostraram que o vírus Zika causa microcefalia porque infecta e destrói as células-tronco neurais do feto, impedindo que novos neurônios sejam formados. Foi então que tivemos a ideia de investigar se o vírus também atacaria as células-tronco tumorais do sistema nervoso central”, disse Okamoto.

De acordo com o professor, os resultados sugerem que vários tipos de tumores agressivos do sistema nervoso central poderiam ser tratados com algum tipo de abordagem envolvendo o Zika, no futuro. “Antes, porém, precisamos investigar melhor quais tipos de tumores respondem a esse efeito oncolítico [que destrói as células cancerosas], quais os benefícios do tratamento e quais os efeitos colaterais da exposição ao patógeno”, disse Okamoto.

Arroz picante de camarão

Ingredientes: 1 colher (chá) de alho picado, 1 xícara (chá) de arroz cozido, 30 ml de azeite de oliva, 1 colher (sopa) de cebola roxa, 3 colheres (sopa) de maionese, 2 colheres(sopa) de alcaparras, 1 colher (chá) de curry, 5 colheres (sopa) de molho de tomate manjericão, 2 colheres (sopa) de molho de pimenta, 1 colher (chá) de cebolinhas cortada finamente, 200 g de camarão rosa limpo, sal a gosto, pimenta-do-reino a gosto. Modo de Preparo: aqueça uma panela grande em fogo alto, adicione o azeite de oliva e o alho; deixe-o dourar rapidamente, adicione a cebola roxa e refogue-a até murchar, coloque o molho de pimenta de acordo com seu paladar, adicione o curry, para finalizar, coloque o arroz cozido, a maionese e as alcaparras; misture bem, depois de todos os ingredientes estarem bem encorpados, coloque o molho de tomate manjericão, ajuste o sabor com sal e pimenta, de acordo com seu paladar, Adicione o camarão rosa e deixe-o cozinhar rapidamente de 2 a 3 minutos, desligue o fogo e transfira o arroz picante de camarão para um refratário de sua preferência, decore com folhas de manjericão e cebolinhas picada

Trabalhadores do setor de frango temem demissões após embargo da UE

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, reuniu-se na quinta-feira (26) com entidades de trabalhadores do setor de produção de frango para tratar das consequências do embargo sofrido por 20 plantas de grandes frigoríficos brasileirosque exportavam frango para a União Europeia (UE). As entidades temem que os trabalhadores sejam demitidos em massa, uma vez que ainda não há previsão de quando a UE vai retomar a importação do produto.

“Nós apresentamos para o ministro a nossa grande preocupação com relação a esses 20 frigoríficos que estão embargados para a exportação de frango para a União Europeia e tem mais de 7 mil trabalhadores em férias coletivas”, disse o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA), Artur Bueno.

Dirigentes da CNTA e da Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores das Indústrias da Alimentação (Contac), além de federações e sindicatos que representam trabalhadores do setor, manifestaram preocupação ao ministro Yomura e ao secretário de Relações do Trabalho, Marcus Laira, sobre o que vai acontecer daqui a duas semanas, quando os trabalhadores desses frigoríficos  retornarem das férias coletivas.

“Pedimos que o ministro chame as empresas e cobre responsabilidade social delas, porque o governo socorre essas empresas, inclusive com recursos do BNDES, entre outras formas de proteção, mas o mais importante é proteger o emprego dos trabalhadores. Mesmo porque o problema que está acontecendo com o setor não foi causado pelos trabalhadores e sim pela má-gestão das empresas.”, disse Bueno. (fonte>blog bacana).

Defesa de Lula pede a Moro que desbloqueie bens dele e de Marisa Letícia

Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediram nesta sexta-feira (27) para que o juiz Sérgio Moro desbloqueie bens dele e a da ex-primeira dama Marisa Letícia.

O dinheiro obstruído de Lula são de contas bancárias, valores aplicados em planos de previdência privada e todos os valores existentes na conta da empresa Lils Palestras, da qual o ex-presidente é sócio, conforme a defesa. A petição não cita valores.

Os advogados alegam que Lula não tem recursos para “fazer frente às despesas necessárias à sua subsistência e de sua família” e tampouco para que ele possa se defender das “indevidas imputações que lhe foram dirigidas por meio de diversas ações judiciais”.

De acordo com o pedido, os valores não estão vinculados a qualquer ilicitude e têm origem certa e já conhecida da Justiça.

“Como viabilizar essa defesa — na extensão promovida pelo texto constitucional, insista-se — se este juízo e a Fazenda Nacional bloquearam todos os recursos do Primeiro Peticionário?”, questionam os defensores.

Sobre Marisa Letícia, a justificativa do pedido de desbloqueio é de que houve extinção diante da declaração da extinção da punibilidade da ex-primeira dama decorrente de sua morte e, portanto, não há motivo para manter o bloqueio. (G1 Paraná).

Jungmann manda apurar vazamentos em inquérito que investiga Temer

O ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, determinou que a Polícia Federal (PF) apure o vazamento de informações sobre o inquérito que investiga supostas irregularidades no Decreto 9.048, conhecido como Decreto dos Portos. Em nota divulgada nesta sexta-feira (27/4), o ministro acrescentou que é “inadmissível” comprometer o direito de defesa de qualquer cidadão ou do Senhor Presidente da República. O ministro acrescentou que vazar informações é ato passível de sanções penais.

“Determinei ao Diretor Geral da Polícia Federal a imediata apuração do possível vazamento ocorrido no curso do inquérito policial […] A violação do sigilo profissional pelos responsáveis pela condução dessa ou de qualquer outra investigação é conduta passível de sanção administrativo-disciplinar, cível e penal. Além disso, depõe contra o reconhecido profissionalismo das instituições investigadoras”, diz a nota assinada por Jungmann.

Em pronunciamento, na manhã desta sexta, o presidente Michel Temer se queixou do vazamento de informações a respeito do inquérito sobre o Decreto dos Portos, em que ele é um dos investigados. “Como é que a imprensa consegue estas informações? Eu duvido que a imprensa entre de madrugada, seja na Polícia Federal ou onde seja, para, digamos, sorrateiramente ter acesso a esses dados. Alguém, naturalmente, vaza esses dados irresponsáveis”. Temer, então, disse que pediria a Jungmann uma investigação a respeito dos vazamentos.

Segundo reportagem publicada nesta sexta-feira pela Folha de S.Paulo, em apuração preliminar, a Polícia Federal acredita que existem indícios de que o presidente tenha usado dinheiro de propina para reformar imóveis da família e ocultado bens em nome de terceiros. No mesmo pronunciamento, Temer se defendeu das supostas acusações. “Não tenho casa de praia, não tenho casa de campo, não tenho apartamento em Miami, não tenho vencimentos e salários a não ser aqueles dentro da lei”. (fonte>C. Brasiliense).

FAB abate avião de traficantes com 500 kg de drogas no Pantanal

Um avião de traficantes que levava um carregamento de 500 quilos de drogas foi abatido numa ação conjunta entre a Polícia Federal, Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Grupo Especial de Fronteira (Gefron) e a Força Aérea Brasileira (FAB). A interceptação da aeronave foi nas proximidades do Pelotão Especial de Fronteira (PEF), situado em Porto Índio, na divisa do Brasil com a Bolívia.

O caso foi registrado na manhã desta quinta-feira (27) durante um trabalho para combater o tráfico de drogas. A aeronave caiu dentro de uma área alagada.

Em seguida, foi informado que a aeronave interceptada foi abatida em voo e feito pouso de emergência na lagoa Baía Uberaba na divisa Brasil/Bolivia. Nisso, a FAB informou que o avião submergiu no lago e 2 homens deixaram a aeronave e saíram à nado do local com vida e o Águia 2 decolou da Base de apoio (Ilha Camargo) com proa da Baía Uberaba.De acordo com informações do Ciopaer, o helicóptero Águia 2 foi acionado pela PF para uma decolagem na manhã de quarta-feira (25), com destino previamente à Ilha Camargo, já que uma aeronave tinha sido colocada como suspeita após o piloto não responder aos primeiros interrogatórios estabelecidos nas medidas de policiamento.

Em atuação junto com equipe da FAB – SAR 03 ( Black Howk FAB 8903) o avião foi localizado submerso e não foi encontrado sobreviventes. O helicóptero do SAR 03 retornou a Porto Índio e após desembarque da equipe convidada a bordo, decolou para Corumbá encerrando as buscas por esse dia.

O Ciopaer enviou um avião de Cuiabá ( PT KCL) que fez o transporte de 5 fardos de drogas em regresso à Cuiabá, permanecendo ainda 10 fardos em Porto Índio para ser removido nesta sexta onde devem ser incinerados. (fonte>gazeta Online). Já na manhã desta sexta-feira (26), as equipes retornaram para uma missão conjunta e agiram por via fluvial e aérea, localizando a aeronave submersa e conseguiram retirar de seu interior e apreeder 15 fardos de pasta-base de cocaína. Todo o material foi removido totalizando 500 quilos.

Avião da Chape voou com 25% menos gasolina que necessário, diz relatório

A Aeronáutica Civil da Colômbia apresentou hoje (27) relatório final sobre o acidente aéreo envolvendo a delegação da Chapecoense, time de futebol brasileiro que ia de Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) para Medellín (Colômbia), onde disputaria a final da Copa Sulamericana contra o Atlético Nacional. O acidente ocorreu no dia 29 de novembro de 2016 e resultou na morte de 71 das 77 pessoas a bordo – a maioria, integrantes da equipe brasileira.

O relatório apresentado hoje contou com a participação de investigadores, autoridades e instituições de cinco países: Brasil, Bolívia, Estados Unidos e Inglaterra, além da Colômbia. Entre as conclusões apontadas como “determinantes para a apresentação deste infeliz acontecimento”, o relatório afirma que a empresa LaMia, “planeou sem escalas este voo charter (transporte não regular de passageiros) entre Santa Cruz (Bolívia) e Rionegro (Colômbia); não cumpriu os requisitos de quantidade mínima de combustível exigidos nas normas internacionais, uma vez que não teve em conta o combustível necessário para voar para um aeroporto alternativo”.De acordo com o documento, a tripulação sabia que a aeronave da empresa boliviana LaMia viajava com pouca quantidade de combustível, fator determinante para a tragédia. Informes preliminares da Aeronáutica Civil colombiana já apontavam que o avião estava com excesso de peso quando caiu, mas que a causa do acidente foi a falta de combustível.

Ainda segundo o relatório, a aeronave tinha um déficit de 2,3 mil kg de combustível, cálculo feito levando em conta que havia 9,3 mil kg, quando seriam necessários 11,6 mil kg de combustível para percorrer a rota Santa Cruz – Rionegro. “Nem a empresa nem a tripulação, apesar de conscientes da pouca quantidade de gasolina, tomaram a decisão de pousar em outro aeroporto”, diz o relatório ao afirmar que a tripulação descartou o pouso em Bogotá, ou outro aeroporto, para reabastecimento.

O relatório conclui que a empresa boliviana LaMia tinha deficiências organizacionais, uma difícil situação econômica, além de problemas no sistema de gestão de segurança operacional e para o cumprimento das políticas de combustível. As tomadas de decisões inadequadas foram, segundo a Aeronáutica Civil colombiana, “em consequência da falta de gestão da segurança operacional nos seus processos, da perda da consciência situacional, e da tomada errada de decisões por parte da tripulação”. (fonte>Gazeta Oline).