Polícia apreende galões com gasolina utilizada para queimar mata em São Félix do Xingu

A maioria dos galões encontrados tem a capacidade para armazenar até 200 litros de combustível.  — Foto: Reprodução/Polícia Civil do ParáA maioria dos galões encontrados tem a capacidade para armazenar até 200 litros de combustível.  — Foto: Reprodução/Polícia Civil do Pará

A maioria dos galões encontrados tem a capacidade para armazenar até 200 litros de combustível. — Foto: Reprodução/Polícia Civil do Pará

A Polícia Civil apreendeu, na noite desta quinta-feira (29), na fazenda Ouro Verde, em São Félix do Xingu, sul do Pará, dezenas de galões com gasolina que eram usados na queimada da mata. A propriedade fica dentro da Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu. A apreensão ocorreu durante operação policial que cumpriu mandados de busca e apreensão na fazenda.

De acordo com as investigações, foram queimados mais de 5 mil hectares de área de floresta nativa. O inquérito foi aberto para investigar incêndios criminosos na área e aponta Geraldo Daniel de Oliveira, dono da propriedade, como suspeito de ter contratado mais de 50 homens para derrubar 20 mil hectares na área na APA Triunfo do Xingu.

Geraldo teve mandado de prisão decretado pela Justiça, mas permanece foragido. Ele já respondeu a quatro ações envolvendo crimes ambientais, segundo a Justiça do Pará. José Brasil – irmão dele e também dono da fazenda – foi localizado e preso em Goiânia.

Helder defende Fundo Amazônia e quer ajuda do G7

Marcos Corrêa/PR/Flickr e Layse Santos/Conexão AMZ

Em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, na manhã desta terça-feira em Brasília, o governador do Pará, Helder Barbalho defendeu que  o governo brasileiro use os recursos do Fundo Amazônia, aceite os U$ 20 milhões oferecidos pelo G7 e trabalhe para ampliar essa ajuda. “Não é correto abrir mão de receita. Se existem recursos, devemos utilizá-los”, disse Helder.

O governador do Pará afirmou que ainda há 750 milhões de reais disponíveis no fundo e que considerou a ajuda do G7, de U$ 20 milhões, “muito aquém ” do que se poderia esperar das  sete nações mais avançadas do mundo.

Helder ressaltou, contudo, ser contrário às declarações do presidente Emmanuel Macron que tem feito insinuações sobre uma possível administração internacional da Amazônia.

O governador sugeriu ao presidente a criação de um grupo de trabalho, formado pelo governo federal e por órgãos de defesa dos Estados da Amazônia Legal. A ideia é criar um plano de combate e prevenção do desmatamento e queimadas ilegais e, em seguida, um programa de regularização fundiária. A maioria dos Estados da região tem pouca ingerência sobre seus territórios. No Pará, por exemplo, apenas 33,3% são áreas estaduais. O restante são territórios que devem ser vigiados pela União. Encontram-se nessa situação, por exemplo, reservas indígenas e terrenos que ficam a até 100 quilômetros das margens de rodovias federais.

Governo do PA diz que identificou cerca de 50 envolvidos com queimadas no estado

Operação descobriu aproximadamente 2.000 ha de área desmatada na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará. — Foto: Ascom/SemasOperação descobriu aproximadamente 2.000 ha de área desmatada na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará. — Foto: Ascom/Semas

Operação descobriu aproximadamente 2.000 ha de área desmatada na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, no Pará. — Foto: Ascom/Semas

O governo do Pará informou, na noite desta segunda-feira (26), que identificou cerca de 50 pessoas envolvidas com queimadas no Pará, duranteoperação que destruiu acampamentos clandestinos de madeireiros em área de preservação no sudeste do estado.

Sobre as ações ilegais, o governador Hélder Barbalho disse que “não é um trabalho amador”. “É algo muito bem planejado, organizado, contando que há impunidade, terceirizando serviços, contratando pessoas”, afirmou.

Segundo o governo, foram apreendidos quatro tratores do tipo escavadeira, seis armas de fogo, 14 motosserras e 19 motocicletas utilizadas para transporte dentro da mata. A área que foi desmatada ilegalmente tem a extensão de aproximadamente 2.000 hectares.

Operação apreende material usado para desmatar área de proteção ambiental no Pará. — Foto: Ascom/SemasOperação apreende material usado para desmatar área de proteção ambiental no Pará. — Foto: Ascom/Semas

Operação apreende material usado para desmatar área de proteção ambiental no Pará. — Foto: Ascom/Semas

Desde a madrugada, equipes da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), Polícias Militar e Civil e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) (Ibama) atuaram na Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu, que fica entre os municípios de São Félix do Xingu e Altamira. São nessas cidades que se concentram uns dos maiores índices de desmatamento ilegal do estado.

As queimadas têm repercutido internacionalmente, e o presidente Jair Bolsonaro autorizou o envio de tropas das Forças Armadas a estados da região.

Desde o domingo (25), um centro de operações foi instalado no Comando Militar do Norte, em Belém, para planejar, executar e monitorar as ações para conter e evitar novos focos de incêndio e desmatamentos ilegais. Militares das Forças Armadas foram enviados a Altamira nesta segunda-feira (26) para dar apoio às ações.

Barbalho disse, ainda, que o desmatamento ilegal praticado no Triunfo do Xingu é para fazer pasto e, posteriormente, dar continuidade à atividade pecuária. “Nós já identificamos aqueles que estão financiando esse processo. O previsto aqui era algo grandioso, próximo de vinte mil hectares, que estariam planejados e contratadas as tarefas e terceirização para queimada e abertura de pasto. Fica um prejuízo de cerca de 3 mil hectares que foi possível devastarem”.

Lideranças Xikrin denunciam ameaças de morte e queimadas dentro de Terra Indígena no PA

Terra Indígena Trincheira- Bacajá, do povo Xikrin, enfrenta invasões de madeireiros e grileiros. — Foto: Reprodução / MPFTerra Indígena Trincheira- Bacajá, do povo Xikrin, enfrenta invasões de madeireiros e grileiros. — Foto: Reprodução / MPF

Terra Indígena Trincheira- Bacajá, do povo Xikrin, enfrenta invasões de madeireiros e grileiros. — Foto: Reprodução / MPF

O Ministério Público Federal (MPF) relatou à Polícia Federal riscos de ataques a indígenas Xikrin, na Terra Indígena Trincheira-Bacajá, entre os municípios de Altamira, Anapu e São Félix do Xingu, no sudeste do Pará. O território é um dos atingidos pela usina hidrelétrica Belo Monte, segundo o MPF.

Na segunda-feira (26), lideranças Xikrin registraram a denúncia em Altamira. Segundo o grupo, cerca de 300 invasores, fortemente armados, construíram casas dentro da reserva e estão fazendo queimadas e ameaçando de morte as lideranças.

A procuradora da República Thais Santi disse, em ofício, que os indígenas chegaram a ir pessoalmente exigir a saída dos ocupantes, após perceberem fumaças na região. “(Os indígenas) Relataram que está se consolidando uma ocupação, com desmatamento, abertura de pastagens e construção de moradias com roças”, informou.

MP alerta Polícia Federal para risco de invasão de terras dos índios xikrin

MP alerta Polícia Federal para risco de invasão de terras dos índios xikrin

O MPF pediu medidas urgentes, com envio de policiais em até 24 horas, e afirmou que as informações são de conhecimento da Fundação Nacional do Índio (Funai).

A Funai disse, em nota, que desde as primeiras informações vem adotando medidas em prol da resolução do caso. Segundo a nota, foram realizadas ações de monitoramento territorial em campo e as informações tem sido repassadas à PF e ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Ainda de acordo com a Funai, o MPF também vem sendo notificado desde as tratativas iniciais. A Funai informou, também, que servidores tem se empenhado em manter a interlocução junto aos indígenas Xikrin.

Beto Barbosa revela que pediu para morrer durante tratamento contra câncer

 | Reprodução/ Instagram

O cantor Beto Barbosa, 64, se recuperou de um câncer na bexiga. Durante o tratamento, porém, ele conta que não aguentava mais tanto sofrimento e que, em muitas oportunidades, pediu para morrer.

“O único medo que eu tinha era de sofrer. Eu estava tomando morfina direto. Alguns momentos, naquela UTI, pedia para Deus me levar, pois não aguentava mais sofrer tanto”, disse em entrevista ao The Noite, no ar nesta terça (27), no SBT.

De acordo com Barbosa, durante um ano o médico dizia para ele que o problema era uma infecção urinária. “Se tivesse descoberto um ano antes não tinha tirado próstata, bexiga, uma parte da uretra, uma parte do intestino”, revelou.

A partir de agora, o artista passa por acompanhamento médico constante. Porém, em suas últimas análises não foram mais encontradas células cancerígenas.

O momento agora é de se concentrar para fazer músicas. “Faço a letra, a música e os arranjos. Aí vou dançar para ver se é dançante. Se for dançante eu gravo”, comentou o rei da lambada. “A lambada trouxe uma moda, um gênero, um estilo”, apontou.

Nora de Lula e mãe de Arthur desabafa: “Deu náusea, nojo, tristeza, perplexidade, indignação, raiva, muita raiva, choro”

Arthur com o avô Lula e a avó, Marisa (Reprodução)

Marlene Silva, nora do ex-presidente Lula e mãe de Arthur, reagiu com indignação à reportagem da Vaza Jato divulgada nesta terça-feira (27) em que procuradores da Lava Jato ironizam a morte do filho, de apenas 7 anos, e a ida do ex-presidente ao velório.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

“Esses senhores [procuradores] não são humanos, não é possível, deu náusea, nojo, tristeza, perplexidade, indignação, raiva, muita raiva, choro… o que estão fazendo conosco!”, desabafou em uma rede social fechada aos amigos. “Nos deixem em paz”, teria dito Marlene, segundo informações da jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo desta quarta-feira (28).

Da prisão em Curitiba, o ex-presidente Lula, carregado de emoção, escreveu uma nota confessando que as mensagens reveladas fizeram deste um de seus dias mais tristes no cárcere. “Foi como se tivesse vivido outra vez aqueles momentos de dor, só que misturados a um sentimento de vergonha pelo comportamento baixo a que algumas pessoas podem chegar”, relatou.

Brasil tem mais de 210 milhões de habitantes, aponta IBGE Estadão Conteúdo

Diário Oficial da União (DOU) traz nesta quarta-feira (28) a mais nova estimativa da população brasileira feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com os dados, o País já conta com mais de 210 milhões de habitantes, quantidade superior aos 208 milhões registrados em 2018. O número atualizado é de 210.147.125 de habitantes.

Três Estados do Sudeste estão no topo da lista dos mais populosos. São Paulo lidera com 45.919.049 de habitantes – a capital do Estado tem hoje 12.252.023 pessoas. Em seguida, vêm Minas Gerais, com 21.168.791 de habitantes, e Rio de Janeiro, com 17.264.943.

No Nordeste, a Bahia tem a maior população da região, com 14.873.064 de habitantes. No Sul, Paraná e Rio Grande do Sul quase empatam no número de pessoas, com 11.377.239 e 11.433.957 de habitantes, respectivamente. No Norte, o Estado do Pará é o mais populoso, com 8.602.865 de habitantes, e, no Centro-Oeste, é o Estado de Goiás, com 7.018.354. Pela nova estimativa, o Distrito Federal tem 3.015.268 de moradores.

Entre outros objetivos, a nova estimativa será utilizada para o cálculo das cotas dos fundos de participação de Estados e municípios. Os dados têm data de referência em 1º de julho de 2019 e estão organizados por Estados, Distrito Federal e municípios.

Jader Governador: feitos que o povo não esquece jamais

Esses dias eu li um texto publicado em uma das redes sociais do senador Jader Barbalho (MDB-PA), no qual ele relembrava dos tempos em que foi governador do Pará e das visitas que fazia aos municípios paraenses levando progresso e desenvolvimento.

Para quem conhece de perto o trabalho do então governador Jader, como eu, não há dúvida de que foi um tempo de muito progresso e de esperança para as populações da capital e do interior do Pará.

“Para mim, o Jader foi o governador que mais fez pelo Pará, foi o mais trabalhador e o mais popular que qualquer outro na história desse estado. Eu me lembro de quando ele trouxe a energia elétrica, o povo finalmente pode sentar nas portas de suas casas à noite”, disse Belém, pai da repórter Vânia Cardoso, morador de Xinguara.

Outro que comentou certa vez sobre o trabalho e a popularidade de Jader, foi o saudoso Zezito do Lojão Paulista, o qual eu tive o prazer de conhecer assim que cheguei a Xinguara em 1993, vindo de Marabá.

“Eu vou dizer uma coisa que você não conhece ainda, mas o povo de Xinguara tem verdadeira adoração pelo Jader. Quando ele chega aqui é um alvoroço só, todo mundo quer abraçá-lo e cumprimentá-lo, quando ele fala em palanque todo mundo bate palmas, coisa que o povo de Xinguara não costuma fazer para mais ninguém, relatou Zezito.

– E o motivo de tudo isso? Indaguei.

Zezito com aquele jeitão todo nordestino, respondeu:

“É que o homem trouxe muitos benefícios, tais como a energia elétrica, asfalto da PA 150, investiu na saúde, na educação, em moradia e na segurança pública. Foram esses benefícios que popularizaram seu governo e trouxeram autoestima à população”, concluiu.

De fato, Jader tem uma lista imensa de obras construídas por ele em todo os municípios paraenses. Trabalhou como muito afinco para desenvolver o Pará e para dá aos paraenses uma condição de vida melhor e mais futurística.

Quem não se lembra dos grandes feitos de Jader governador? Quem não se lembra que foi ele quem interligou à capital Belém com o sul e sudeste do Pará, através da rodovia PA 150, com cerca de 1000 quilômetros de extensão, construída por ele? Quem não se lembra que foi no seu governo que asfaltou a PA 150 e trouxe energia elétrica para essas regiões?

O grande exemplo de tudo que estamos relatando pode ser contado aqui em Xinguara, onde Jader providenciou recursos para, em parceria com o prefeito da época, Itamar Mendonça, fossem construídos o Colégio Acy de Barros, Colégio Jair Ribeiro, Colégio Tancredo Neves, Colégio Raimundo Henrique , Colégio Henrique Francisco Ramos, Colégio Jader Barbalho, Colégio Dom Luiz, Escola Padre João Luiz Purguy (no distrito Rio Vermelho), Escola Auto Araguaia (no distrito são Francisco), e Escola Cinderela (no setor Chácaras).

Entre outros investimentos feitos em Xinguara, também podemos citar a construção e instalação do Hospital do Estado (hoje Hospital Municipal), o 17º Batalhão de Policia Militar, a antiga Delegacia de Polícia Civil, a agência do Banco do Estado do Pará (Banpará), a Telepará, a Centrais Elétricas do Pará (Celpa),  4 canais de televisão para que os moradores da cidade tivessem entretenimento, e 150 moradias populares.

Pelo o que fez em favor dos paraenses, o hoje senador Jader Barbalho, se tornou o político mais comentado e mais querido pela população, um verdadeiro estadista e símbolo democrático que contagia seus correligionários políticos, seus eleitores e seus amigos.

Pesquisa CNT/MDA: avaliação negativa do governo Bolsonaro sobe de 19% para 39,5%

Foto: Alan Santos/PR

No caso da avaliação pessoal de Jair Bolsonaro, a aprovação recuou de 57,5% para 41%, enquanto a desaprovação do presidente foi de 28,2% para 53,7% entre fevereiro e agosto.

Segundo a pesquisa, entrevistados apontaram Saúde (54%), Educação (49%), e Emprego (44%) como os maiores desafios do atual governo.

Sobre as mensagens trocadas entre Sérgio Moro e procuradores da Operação Lava Jato, terem sido obtidas de forma ilegal, 47,2% consideram que ainda assim elas deveriam ser usadas, porque o importante é o seu conteúdo.

Dentre as onze opções apresentadas, os entrevistados deixaram Energia (2%), Saneamento (3%) e Transporte (3%) como os menores desafios.

Sobre o desemprenho do governo em diferentes setores, a pesquisa coloca o combate à Corrupção (31%), Segurança (20%) e Redução de cargos e ministérios (18%) como as áreas que o governo melhor atuou nestes oito meses.

Por outro lado, Saúde (30%), Meio Ambiente (26%) e Educação (24%) foram apontados pelos entrevistados com as áreas de pior desempenho de Bolsonaro.

Campanha mobiliza doação de sangue para Vereador Joaquim Campos

Joaquim Campos é apresentador de TV e vereador na cidade de Belém

 Joaquim Campos é apresentador de TV e vereador na cidade de Belém | Divulgação/CMB

Amigos e familiares do Vereador Joaquim Campos estão realizando uma campanha para receber doação sanguínea, de qualquer tipo, após o problema de saúde que enfrenta desde a última sexta-feira (23). Ele sofreu um infarto, durante a apresentação do programa Metendo Bronca.

Em seguida ao ocorrido, o vereador de Belém foi imediatamente atendido e levado para a urgência do Instituto de Previdência e Assistência do Município de Belém (Ipamb).

Após receber os primeiros atendimentos, ele foi encaminhado para o Hospital do Coração, onde foi submetido a um cateterismo, onde ficou constatada a necessidade de procedimento cirúrgico. O quadro de saúde dele é estável.

DOAÇÃO

Para fazer a doação, basta se deslocar até o Instituto de Hematologia e Hemoterapia de Belém (Ihebe), localizado na travessa Mauriti, 3164, bairro do Marco, portando um documento de identificação com foto e informar o nome completo do paciente: Joaquim Aristides Araújo Campos, 65 anos (internado no Hospital do Coração).