Greve dos caminhoneiros continua, apesar de acordo com o governo

Por: R7

Mesmo após firmar acordo com o governo na noite de quinta-feira (24),os protestos dos caminhoneiros continuam nesta sexta-feira (25) pelas rodovias que cortam o País.

Além da falta de combustível nos postos, a paralisação já afeta o abastecimento de mercadorias em supermercados; os aeroportos registram falta querosene, o que prejudica as decolagens; o fornecimento de energia elétrica em Rondônia; entre outros reflexos.

Em entrevista à RecordTV, o presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos do Estado de São Paulo, Claudinei Natal Pelegrini, disse que o “movimento é espontâneo e espontâneo vai ficar”.

— O que garante que na semana que vem não coloquem outra tarifa?

Pelegrini diz que os caminhoneiros possuem o apoio da população. “Eles sabem que a reivindicação é justa, caso contrário [a população] teria se voltado contra nós”, diz. Para ele, os brasileiros “sentem o momento gravíssimo” e “entendem os protestos”.

Ontem, após reunião que se estendeu ao longo de todo o dia no Palácio do Planalto, o governo federal anunciou que parte das entidades que representam os caminhoneiros assinaram um termo de acordo para suspender a paralisação feita pela categoria no país por 15 dias.

O anúncio foi feito pelo ministro dos Transportes, Valter Casimiro, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Carlos Marun, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.  O governo afirma que vai congelar o preço do diesel por 30 dias, já com a redução anunciada pela Petrobras, e se comprometeu também em reduzir a zero a Cide (Contribuições de Interveção no Domínio Econômico) para o ano de 2018.

São Paulo

Em São Paulo, apenas 61% da frota de ônibus está nas ruas para atender a população, informou a SPTrans (São Paulo Transportes) nesta sexta-feira. “A Prefeitura está empenhada em minimizar os transtornos causados pela greve e recomenda à população que evite deslocamentos desnecessários nesta sexta-feira”, diz a nota. Pelo terceiro dia consecutivo, a Prefeitura de São Paulo anunciou a suspensão do rodízio de veículos nesta sexta.

Pelo menos 100 vans escolares realizam protestos na capital paulista em apoio a paralisação dos caminhoneiros nesta sexta. O objetivo, segundo o grupo, é bloquear a marginal Tietê.

Rodovias que cortam o Estado de São Paulo apresentam diversos pontos de bloqueio de caminhoneiros nesta sexta. Na rodovia Régis Bittencourt, que liga São Paulo a Curitiba, caminhões ocupam uma faixa e atearam fogo em barricada de pneus — não há previsão de liberação da pista, segundo o grupo. A situação é a mesma no sentido São Paulo, quando se há o registro de pelo menos 10 km de congestionamento.

A rodovia Imigrantes, que liga a capital paulista ao litoral, está com trânsito lento do km 23 ao 24 no sentido litoral por causa de protestos de caminhoneiros. Na Anchieta, o motorista vai enfrentar lentidão do km 23 a 25 também no sentido litoral.

Na Fernão Dias, que liga São Paulo ao interior do Estado, os motoristas também encontram trechos de lentidão. Os trechos bloqueados no sentido Minas Gerais são km 691 na região de Lavras; km 589, em Carmópolis de Minas, km 618 em Oliveira (MG), km 858 em Pouso Alegre (MG), km 925 em Itapeva, km 507 em São Joaquim das Bicas.

Os trechos no sentido São Paulo que estão bloqueados são km 692 em Lavras (MG) e km 754 em Três Corações (MG). O trânsito está lento nos dois sentidos nos trechos do km 949 em Extrema (MG), no km 485 em Betim (MG) e km 871 em Pouso Alegre (MG).

Os caminhoneiros também estão protestando na rodovia Presidente Dutra, que liga o Rio de Janeiro a São Paulo. Os motoristas enfrentam pontos de lentidão na estrada desde a madrugada. Por volta das 4h, os pontos com trânsito lento eram: km 273 em Barra Mansa (RJ) no sentido São Paulo, km 92 em Pindamonhangaba (SP) no sentido Rio de Janeiro, km 51 em Lorena (SP) no sentido São Paulo.

A rodovia Raposo Tavares, no sentido capital paulista, registra bloqueio de caminhoneiros no km 30, na altura do município de Cotia, na região metropolitana. O km 19, sentido interior, também tem protesto — ao menos 30 caminhões bloqueiam duas faixas.

Caminhão-tanque foi escoltado pela polícia em São Paulo nesta madrugada

Caminhão-tanque foi escoltado pela polícia em São Paulo nesta madrugada

Paulo Lopes/Futura Press/Folhapress – 25.05.2018

Rio Grande do Sul

Prateleiras de diversos supermercados em Porto Alegre, capital do Estado, relatam a falta de produtos como pão, leite e água. Em centros de distribuição de hortifruti, os alimentos tiveram que ser jogados fora uma vez que não haviam sido abastecidos por quatro dias.

Pará

O impacto da paralisação de cinco dias dos caminhoneiros já atinge fortemente o Estado do Pará. Diversas cidades do interior registram falta de alimentos em supemercados, atraso de entrega dos Correios e escassez de medicamentos. O Aeroporto de Carajas, sudoeste do Estado, não possui combustível para abastecer aeronaves.

Minas Gerais

Pelo menos 60% dos postos de combustíveis em Belo Horizonte, capital mineira, não possuem estoque o suficiente nesta sexta-feira (25). Escolas informaram que a presença nas aulas hoje é facultativa, ou seja, não é obrigatória. A BR-040, liga MG-DF, apresenta interdição total por causa da barricada de pneus posta na via pelos manifestantes.

Rio de Janeiro

A linha Amarela ficou interditada durante a noite e madrugada desta sexta-feira no Rio de Janeiro. Os taxistas bloquearam o local como apoio aos caminhoneiros. Há relatos também de falta de mercadoria em supermercados, principalmente frutas legumes e verduras. A CEDAE (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro) pediu para a população que economize água, isso porque há dificuldade de entrega de produtos químicos para o tratamento de resíduos.

Distrito Federal

Pelo menos 60% dos postos de Brasília estão desabastecidos nesta sexta. Nos postos de gasolina que ainda restam estoque, as filas continuam enormes e os preços cada vez mais elevados —  clima entre frentistas e motoristas é tenso.

Goiás

Supermercados de Goiânia começaram a limitar os produtos por clientes. Segundo um comunicado, “cinco unidades de cada item para cada pessoa”. As rodovias do Estado apresentam quase 40 pontos de bloqueio de caminhoneiros. O Aeroporto Internacional de Genoveva não tem querosene para aviação o suficiente e pode começar a cancelar voos por causa da falta de combustível.

Santa Catarina

Poucos postos de gasolina possuem estoque de combustível nesta sexta, em Florianópolis. Os motoristas enfrentam mais de 1km de congestionamento para realizarem o abastecimento de veículos. Em Joinville, um estabelecimento vende o litro de gasolina por R$ 2,39.

Governo e caminhoneiros anunciam proposta de acordo para suspender paralisação por 15 dias

Por: G1/Globo e foto da NBR

Após uma reunião de mais de seis horas com representantes de entidades de caminhoneiros, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Carlos Marun (Secretaria de Governo), Eduardo Guardia (Fazenda) e Valter Casimiro (Transportes) anunciaram na noite desta quinta-feira (24) a proposta do governo de um acordo para a suspensão da paralisação da categoria, que há quatro dias provoca bloqueios de rodovias e desabastecimento em todo o país.

Pelo texto do acordo, os representantes das entidades de caminhoneiros que participaram da reunião (à exceção de um) se comprometeram a “apresentar aos manifestantes” os termos do acordo.

Questionado se, com o anúncio, haverá normalização da situação, Padilha disse acreditar que a “qualquer momento” o movimento dos caminhoneiros começará a ser “desativado”.

No Rio de Janeiro, o governador Luiz Fernando Pezão (MDB) anunciou redução de 16% para 12% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) do diesel em troca da suspensão do movimento nas rodovias do estado.

Os pontos do acordo

Pela proposta, o governo federal assume os seguintes compromissos:

  • reduzir a zero a alíquota da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), em 2018, sobre o óleo diesel, bem como as necessárias providências decorrentes dessa medida;
  • manter a redução de 10% no valor do óleo diesel a preços na refinaria, já praticados pela Petrobras, nos próximos trinta dias, considerando as necessárias compensações financeiras pela União à Petrobras, no intuito de garantir a autonomia da estatal;
  • assegurar a periodicidade mínima de 30 dias para eventuais reajustes do preço do óleo diesel na refinaria, a partir do preço definido pelo critério do item b, considerando as necessárias compensações financeiras pela União à Petrobras, no intuito de garantir a autonomia da estatal;
  • reeditar, no dia 1º de junho de 2018, a Tabela de Referência do frete do serviço do transporte remunerado de cargas por conta de terceiro, bem como mantê-la atualizada trimestralmente, pela ANTT;
  • promover gestão junto aos estados da federação, para implementação da isenção da isenção da tarifa de pedágio prevista no art. 17 da Lei nº 13.103, de 2015 (não cobrança sobre o eixo suspenso em caminhões vazios). Em não sendo bem sucedida a tratativa administrativa com os estados, a União adotará as medidas judiciais cabíveis;
  • editar medida provisória, em até 15 dias, para autorizar a Conab a contratar transporte rodoviário de cargas, dispensando-se procedimento licitatório, para até 30% de sua demanda de frete, para cooperativas ou entidades sindicais da categoria dos transportadores autônomos;
  • não promover a reoneração da folha de pagamento do setor de transporte rodoviário de cargas;
  • requerer a extinção das ações judiciais possessórias, ou de qualquer outra natureza, propostas pela União em face das entidades relacionadas com o movimento paredista de caminhoneiros de que trata este termo;
  • informar às autoridades de trânsito competentes acerca da celebração do presente Termo, para instrução nos eventuais processos administrativos instaurados em face das entidades ou de seus associados em decorrência de atos praticados no curso do movimento paredista;
  • manter com as entidades reuniões periódicas para acompanhamento do adimplemento dos compromissos estabelecidos neste Termo, ficando desde já estabelecido o prazo de quinze dias para a celebração do próximo encontro;
  • buscar junto à Petrobras a oportunização aos transportadores autônomos à livre participação nas operações de transporte de cargas, na qualidade de terceirizados das empresas contratadas pela estatal;
  • solicitar à Petrobras que seja observada a Resolução/ANTT nº 420, de 2004, no que diz respeito à renovação da frota nas contratações de transporte rodoviário de carga.

Crise pode levar Brasil a um golpe, leia o Editorial Fórum

Por Renato Rovai e Ivan Longo

O pais está em alerta não mais com a greve dos caminhoneiros, mas com o que ela pode gerar. As consequências com a possível paralisação de aeroportos e desabastecimento a partir de amanhã podem criar um ambiente mais do que propício para intervenções radicais.

A paralisação dos caminhoneiros por conta dos sucessivos aumentos no preço do diesel já fazem postos de combustível vender gasolina a quase R$9,00 o litro, como acontece em um posto de Recife. Além disso, temendo mais aumentos, a população faz filas e lota postos de combustível em todo o país. Assim como os supermercados, que são afetados com a paralisação por conta do abastecimento de alimentos. No Ceasa do Rio de Janeiro, que é a principal central de abastecimento de alimentos da cidade, por exemplo, já há falta de produtos, provocando a alta dos preços. O saco de batatas que era vendido a R$60 chega a ser comercializado por R$400. Já a BRF, maior empresa brasileira de carne de frango e carne suína, informou hoje que paralisou totalmente quatro unidades por conta dos protestos. Além disso, outros nove frigoríficos da companhia terão atividades suspensas (total ou parcialmente) pois a greve, de acordo com nota da empresa, inviabilizou o recebimento de matérias-primas.

Aeroportos podem parar amanhã

As consequências caóticas não param por aí. A Infraero divulgou um relatório alertando que os aeroportos de Congonhas, em São Paulo; de Palmas (TO), Recife (PE), Maceió (AL) e Aracaju (SE) só têm combustível suficiente para abastecer os aviões até esta quarta-feira (23), com o risco de caos aéreo para os próximos dias. Com a paralisação, portos pelo país também vêm tendo a distribuição de produtos comprometida. A não distribuição de combustíveis afeta ainda os Correios, que suspendeu, nesta quarta-feira, as postagens com dia e hora marcados.

Supermercados desabastecidos, preços de combustíveis e alimentos nas alturas, serviços interrompidos e insatisfação popular generalizada: um ambiente mais do que propício para que cresça o apoio a uma intervenção militar.

Intervenção pode ser via acordo jurídico-militar

Em grupos de direita pelas redes sociais as mensagens defendendo uma intervenção militar já estão viralizando. Inúmeros vídeos falando sobre o “caos” brasileiro com o aumento do preço dos combustíveis e invocando as Forças Armadas para resolver a crise tem sido espalhados fortemente. Uma mensagem que circula com força convoca uma paralisação nesta quinta-feira (24) a partir das 15h, em apoio à greve dos caminhoneiros.

Os indícios são de que parte dessas mensagens está sendo enviada não de maneira orgânica ou espontânea, mas por postagens pagas e provavelmente a partir de distribuição por linhas telefônicas do exterior.

A intervenção militar pura é algo que poderia escancarar o golpe no Brasil e prejudicar a continuidade do projeto neoliberal radical que vem sendo implementado pelo governo Temer. Mas uma solução “café com leite”, com o Supremo e com tudo, poderia ser melhor aceita e envolver também as Forças Armadas.

Os próximos dias são decisivos para o país. E o adiamento das eleições com a constituição de um governo interventor jurídico-militar é uma possibilidade que não pode ser descartada. Por isso, mais do que nunca as forças progressistas têm que disputar as ruas e articular fortemente um campo civil democrático para resistir ao que pode estar sendo construído nas sombras e nas casernas. O momento não é apenas de mais uma crise. Mas de uma grave crise político-institucional. Que pode nos levar a um túnel ainda mais escuro do que o atual.

Veja a situação da greve dos motoristas nos estados

Por: G1/Globo

Acre

Os caminhoneiros do Acre aderiram à manifestação. Em Rio Branco, os manifestantes fecharam parcialmente a BR-364, no Segundo Distrito de Rio Branco na quarta.

Alagoas

Segundo a PRF, há dois pontos de bloqueios, um na BR101 e outro na BR-316. A Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT) informou que nesta quinta-feira (24) haverá uma redução de 10% na frota dos ônibus, ou seja, da frota de 670 ônibus, 67 não vão circular.

Amazonas

Um grupo de caminhoneiros fechou parcialmente a Estrada do Marapatá, que dá acesso para as distribuidoras de combustíveis no Distrito Industrial de Manaus, no início da manhã desta quinta

Bahia

O Ceasa, na região metropolitana de Salvador, já começa a ficar sem produtos, por conta dos efeitos da greve de caminhoneiros contra o aumento no valor de diesel, que entra no 4º dia nesta quinta. Os motoristas de caminhões e carretas estão interrompendo o tráfego em rodovias de todos o país, impedindo o transporte de produtos.

Ceará

Motoristas de caminhão ampliaram os bloqueios nas rodovias federais do Ceará nesta quinta. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), sete trechos estão fechados no estado, até as 7h40.

Distrito Federal

Um grupo de motociclistas fechou a Estrada Parque Taguatinga (EPTG), no Distrito Federal, na manhã desta quinta.

Espírito Santo

Caminhoneiros impedem a entrada de produtores nas Centrais de Abastecimento do Espírito Santo (Ceasa), na BR-262, em Cariacica, na Grande Vitória, nesta manhã.

Maranhão

Nesta manhã, os caminhoneiros bloquearam o Km 5 da BR-135 situado no bairro Maracanã na zona rural de São Luís. No local, eles ocuparam as duas pistas e apenas veículos de carga não estão podendo trafegar.

Mato Grosso

Nove pontos de protesto são registrados na manhã desta quinta no quarto dia de manifestação de caminhoneiros nas rodovias federais de Mato Grosso.

Mato Grosso do Sul

A quinta amanheceu com pelo menos três protestos de caminhoneiros em Mato Grosso do Sul. Na BR-163, em Campo Grande e Dourados, e ainda na BR-262, em Três Lagoas. Em Dourados, manifestantes colocaram fogo em pneus e em Três Lagoas, caminhoneiros montaram acapamento no ponto de interdição.

Minas Gerais

Os manifestantes ocupam vários pontos de rodovias em diferentes regiões do estado. De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, há protesto em frente à Cidade Administrativa, no bairro Serra Verde, na Região de Venda Nova, em Belo Horizonte. Segundo a PM, o ato é feito no sentido capital mineira e os caminhoneiros bloqueiam todas as faixas.

Pará

A PRF registra cinco pontos de interdição parcial dos caminhoneiros no Pará: a BR-010, no km-165, em Paragominas; já no sudeste do Estado são dois pontos, a BR-248, no km-155 em Eldorado dos Carajás e a BR-230 no km-128, em Marabá; além da região metropolitana de Belém, na BR-316, a interdição ocupa parcialmente os dois sentidos da via, no km-23 e no km-27.

Paraíba

Nesta quinta, a redução das frotas de ônibus de João Pessoa e Campina Grande permanecem. No município de Sousa, no Sertão paraibano, a partir desta quinta não haverá ônibus circulando na cidade.

Paraná

Foram registradas 55 manifestações ocorriam nas estradas federais no início desta manhã, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Pernambuco

Mesmo com redução da frota, muitos passageiros optaram por seguir de ônibus através do TI Pelópidas Silveira, em Paulista, no Grande Recife. Por volta das 8h, havia fila para conseguir entrar no terminal.

Piauí

Um grupo de caminhoneiros bloqueou parcialmente a rodovia BR-316 na altura do km 323, em uma das saídas da cidade de Picos, a 314 km de Teresina.

Rio de Janeiro

Às 6h33, caminhoneiros protestaram na Avenida Washington Luís e chegaram a fazer uma fogueira entre os canteiros que dividem as pistas, levantando uma cortina de fumaça. O RJ conta com sete pontos de manifestação nas estradas. Um dos maiores é na Via Dutra, na altura de Seropédica. Acompanhe em tempo real.

Rio Grande do Norte

O estado amanheceu novamente com pontos de bloqueios nas principais rodovias federais que cruzam o estado. São seis pontos de interdição, onde apenas os veículos de pequeno porte estão passando.

Rio Grande do Sul

A quinta-feira começa com postos de combustíveis fechados em Porto Alegre, e alteração no transporte municipal e da Região Metropolitana. O Aeroporto Salgado Filho funciona dentro dos níveis de reserva, e orienta que os passageiros consultem voos antes de se deslocarem.

Roraima

Há bloqueios de rodovias em dez municípios. Segundo a Eletrobras, eles impediram o abastecimento de óleo diesel em usinas termoelétricase por isso será necessário realizar o racionamento da geração de energia no município de Buritis e em distritos próximos como Rio Pardo e Jacinópolis. Um rodízio será feito até que o suprimeito de óleo diesel seja normalizado.

São Paulo

A greve dos caminhoneiros está prejudicando o abastecimento de mercados municipais e provocando o aumento do preço de produtos nas feiras livres de São Paulo. Acompanhe em tempo real.

Santa Catarina

Até as 7h30, ao menos 63 pontos em rodovias federais e estaduais estavam prejudicados. Os grevistas permitem a passagem apenas de carros, ônibus e ambulâncias.

Sergipe

Por causa da redução da frota de ônibus de 30%, anunciada pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de Aracaju (SMTT), os usuários da capital já começam a sentir os efeitos da medida nas primeiras horas desta quinta-feira (24). Combustível começa a faltar em postos da Zona Sul.

Greve de caminhoneiros chega ao 4º dia e causa reflexos pelo país

Pelo 4º dia seguido, nesta quinta-feira (23), caminhoneiros fazem manifestações em 22 estados mais o Distrito Federal causando reflexos por todo o país. Os atos são contra a disparada do preço do diesel que faz parte da política de preços da Petrobras, em vigor desde julho.

Entre as consequências estão a redução nas frotas de ônibus em várias cidades, inclusive, capitais; a disparidade de preços nos postos de combustíveis – valores variam R$ 2,10 a R$ 10 -, mas em alguns estabelecimentos já há falta, além de grandes filas; o desabastecimento em supermercados, principalmente de hortifrutigranjeiros; hospitais suspenderam procedimentos por conta de falta de medicamentos; fábricas de diversos segmentos pararam suas produções; e há possibilidade de racionamento de energia em Rondônia.

Veja os principais reflexos da paralisação pelo país:

Transportes

Alimentos

Saúde

Energia

Segurança

Canaã dos Carajás: cliente da Vivo suspeita estar sendo vítima de estelionato

Temendo que terceiros usem seus dados pessoais para praticar vantagens ilícitas, o senhor Francisco de Assis Oliveira, procurou a Delegacia de Polícia de Canaã dos Carajás, nesta quarta-feira (23/05) para registrar um boletim de ocorrência, no sentido de se resguardar de futuros problemas que venham ocorrer.

Francisco contou que uma pessoa se passado por funcionário da Vivo, ligou para ele oferecendo um plano de telefonia celular da empresa, no que ele aceitou.

Após pegar os números dos documentos pessoais de Francisco, a tal funcionária disse para ele esperar 72 horas para o plano ficar acessivo. No entanto, passou o tempo e nada do plano ser creditado no celular dele.

Francisco, preocupado com a situação, procurou a operadora Vivo, que avisou que nenhum plano havia sido feito em seu cadastro de cliente da empresa.

Depois disso, Francisco, percebendo que pode estar sendo vítima de uma ação criminosa por parte de estelionatários,  resolveu levar o caso à polícia, por temer consequências.

Paciente que sofreu acidente em Água Azul do Norte morre no Hospital Regional de Redenção

Faleceu nesta quarta-feira (23/05), às 8 horas da manhã, Alan Florêncio de Barros, que se encontrava internado no Hospital Regional de Redenção, em recuperação.

Alan morava em Água Azul do Norte, e se recuperava de um acidente de trânsito sofrido por ele no dia 19 de maio, quando foi transferido para Redenção.

De acordo com o receituário médio, o quadro de saúde do paciente era grave. Ele morreu em decorrência de traumatismo cerebral, insuficiência respiratória e outras complicações.

Pará tem nove interdições em rodovias federais na noite desta quarta-feira

Por: G1/Pará

Nove rodovias federais seguem interditadas por caminhoneiros no Pará na noite desta quarta-feira (23), segundo o mapa de interdições da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que mostra a situação das rodovias em todo o país. O mapa é atualizado minuto a minuto.

A greve dos caminhoneiros entrou no terceiro dia em todo o país. A paralisação afeta 23 estados brasileiros e o DF. Correios suspenderam entregas agendadas, e companhias aéreas pedem que passageiros se informem sobre voos antes de ir para o aeroporto.

No Pará, são três interdições em Benevides, duas em Santa Luzia do Pará, uma em Capanema, uma em Paragominas, uma em Eldorado dos Carajás e uma em Marabá. Segundo a PRF, apenas em Santa Luzia do Pará a via está completamente fechada. Nos outros pontos o bloqueio é parcial. Os caminhoneiros só deixam passar carros pequenos, ambulâncias e veículos com produtos perecíveis.

Petrobras anuncia redução de 10% no diesel; medida deve valer por 15 dias

  • Por: G1/Globo

O Presidente da Petrobras, Pedro Parente, anunciou na noite desta quarta-feira (23) a redução de 10% no preço do diesel nas refinarias e disse que a redução será mantida por 15 dias.

Segundo Parente, a redução anunciada significa uma queda de 23 centavos no preço do litro nas refinarias e de 25 centavos para os consumidores. Parente deixou claro que decisão sobre o diesel não abre margem para que o preço da gasolina também caia.

“É uma medida de caráter excepcional. Não representa uma mudança de política de preço da empresa”, afirmou o presidente da estatal durante entrevista coletiva. “São 15 dias para que o governo converse com os caminheiros”, acrescentou.

Ainda segundo o presidente da petroleira, a empresa não cedeu a pressões de movimentos sociais ou mesmo do governo federal. Parente classificou a medida como sendo um gesto de “boa vontade”.

“Não tivemos pressões do governo ou de movimentos sociais. Estamos fazendo uma avaliação realista da situação do país”, explicou.

Segundo ele, o presidente Michel Temer foi informado momentos antes da coletiva de imprensa sobre redução do preço do diesel.

“Não foi uma decisão fácil. Não foi uma decisão simples. Mas eu tenho serenidade em dizer que tenho horror a dogmas”, ressaltou o presidente da Petrobras.

Pastor evangélico estupra filho e enteado antes de matá-los

Por: Pragmatismo Político

O Pastor evangélico George Alves, da Igreja Batista Vida e Paz, assassinou o próprio filho, de 3 anos, e o enteado, de 6. A informação, baseada em laudos periciais, foi confirmada pela Polícia Civil do Espírito Santo nesta quarta-feira (23).

A perícia revelou ainda que George Alves estuprou os meninos antes de matá-los de maneira cruel: eles foram queimados vivos.

O crime aconteceu no mês passado, em 21 de abril, na cidade de Linhares, no Espírito Santo. A princípio, o pastor George Alves, que estava sozinho em casa com os meninos, disse que eles morreram em um incêndio que atingiu apenas o quarto onde as vítimas dormiam.

 O pastor chorou na primeira entrevista que concedeu à imprensa. George disse que tentou salvar os meninos, mas a polícia identificou inconsistências em sua fala.

Menos de 24 horas depois da morte de Joaquim Alves Salles e Kauã Salles Butkovsky, câmeras de segurança flagraram o pastor George e a mãe dos meninos em uma lanchonete. Ambos aparentavam normalidade.

De acordo com o inquérito, a mãe não teve participação no crime e não será investigada. No dia do crime, Juliana Salles estava em um congresso em Minas Gerais com o filho mais novo do casal.

George Alves está preso desde o dia 28 de abril. A polícia afirma que ele alterou o local do crime e fez contato com testemunhas. Ele foi indiciado por duplo homicídio triplamente qualificado e duplo estupro de vulneráveis. A soma máxima das penas pode chegar a 126 anos.

Delegado descreve assassinatos

“Naquela madrugada, o investigado, inicialmente, molestou as duas crianças, tanto o filho biológico Joaquim quanto o enteado Kauã, mantendo um ato libidinoso”, disse o delegado André Jaretta.

“Com as duas vítimas ainda vivas, porém desacordadas, o investigado as levou até o quarto, as colocou na cama e ateou fogo nas crianças, fazendo com que elas fossem mortas com o calor do fogo”, explicou Jaretta.

“Isso tudo é comprovado pelo exame pericial. As crianças continham fuligem na traqueia e o exame demonstrou que elas ainda respiravam quando começou o incêndio”, concluiu o delegado.

Pastor fez culto evangélico depois do crime

A polícia ainda não desconfiava de George Alves e não tinha elementos para incriminá-lo nos instantes que sucederam o crime. Apenas um dia depois dos assassinatos, como se nada tivesse acontecido, o pastor realizou um culto em sua igreja.

Durante o ato religioso, George contou, no microfone, diante de dezenas de fiéis, uma versão mentirosa do que havia acontecido naquela madrugada. O pastor alegou que houve um incêndio acidental e ele tentou salvar os meninos.

“Quero agradecer a todos a solidariedade e as orações. Quero dizer que só há um caminho e esse caminho não acaba na cruz, mas na ressurreição. Não há nada que me faça parar agora, entrar num quarto, entrar em depressão porque eu creio que há um senso de urgência: o mundo precisa de Deus. Não há uma resposta para o mundo, se não for Deus”, bradou.

Ainda sem saber que George era o autor do crime, alguns jornais religiosos louvaram a sua atitude de ministrar um evento religioso após a morte das crianças: “Mesmo depois da dor de perder os filhos, o pastor continuou testemunhando o amor de Deus às pessoas (sic)”, publicou um veículo de notícias gospel.