Governo Bolsonaro tem aprovação de 40% e reprovação de 29%, diz pesquisa Ibope

Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (24) mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro:

  • Ótimo/bom: 40%;
  • Regular: 29%;
  • Ruim/péssimo: 29%;
  • Não sabe/não respondeu: 2%

A pesquisa foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com a entidade, o levantamento foi feito entre os dias 17 e 20 de setembro e ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios.

Pesquisa Ibope: governo Bolsonaro é aprovado por 40% e reprovado por 29%

Pesquisa Ibope: governo Bolsonaro é aprovado por 40% e reprovado por 29%

Ainda segundo a pesquisa, 46% dizem confiar em Jair Bolsonaro; outros 51% afirmam não confiar; 3% não souberam ou não quiseram responder.

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança, de 95%.

A última pesquisa divulgada pelo Ibope e também encomendada pela CNI sobre a aprovação do presidente foi feita em dezembro de 2019.

Os números levantados na época foram: Ótimo/bom: 29%; Regular: 31%; Ruim/péssimo: 38%; Não sabe/não respondeu: 3%.

Expectativa da população

A nova sondagem também considerou a expectativa da população sobre o governo. Os resultados apontam que 36% acreditam que os próximos anos de mandato de Bolsonaro serão ótimos ou bons.

Outros 30% disseram que serão ruins ou péssimos. Para 29%, os próximos anos serão regulares. Os três percentuais variaram dentro da margem de erro.

Forma de governar

Um dos aspectos pesquisados diz respeito à aprovação da maneira de governar do presidente Jair Bolsonaro. Sobre este quesito, os resultados foram:

  • Aprova: 50%;
  • Desaprova: 45%;
  • Não sabe, ou não respondeu: 5%.

No levantamento anterior, 41% dos entrevistados aprovavam a maneira de governar de Bolsonaro, 53% desaprovavam e 5% não souberam ou não responderam.

Setores do governo

A pesquisa avaliou ainda a percepção da população a respeito de áreas do governo:

Segurança pública

  • Aprova: 51%;
  • Reprova: 45%;
  • Não sabe/não respondeu: 3%.

Combate à fome e à pobreza

  • Aprova: 48%;
  • Reprova: 49%;
  • Não sabe/não respondeu: 3%

Meio ambiente

  • Aprova: 37%;
  • Reprova: 57%;
  • Não sabe/não respondeu: 6%.

Saúde

  • Aprova: 43%;
  • Reprova: 55%;
  • Não sabe/não respondeu: 2%.

Educação

  • Aprova: 44%;
  • Reprova: 52%;
  • Não sabe/não respondeu: 3%

Combate ao desemprego

  • Aprova: 37%;
  • Reprova: 60%;
  • Não sabe/não respondeu: 3%

Combate à inflação

  • Aprova: 38%;
  • Reprova: 56%;
  • Não sabe/não respondeu: 6%

Taxa de juros

  • Aprova: 30%;
  • Reprova: 64%;
  • Não sabe/não respondeu: 7%

Impostos

  • Aprova: 28%;
  • Reprova: 67%;
  • Não sabe/não respondeu: 5%

Outros temas

O Ibope também perguntou aos entrevistados sobre a percepção do noticiário em relação ao governo Jair Bolsonaro. Na pesquisa, 20% avaliam que as notícias recentes sobre o governo são mais favoráveis, e 43%, que são mais desfavoráveis.

Outros 25% consideram que as notícias não são favoráveis nem desfavoráveis; 12% não sabem ou não quiseram opinar.

A pesquisa também pediu uma comparação entre o governo atual e o governo anterior, do presidente Michel Temer (MDB).

Dos entrevistados, 49% consideram o governo Bolsonaro melhor que o antecessor, 26% consideram igual e 21% consideram o atual governo pior; 4% não souberam ou não quiseram opinar.

Bolsonaro passa por cirurgia na manhã desta sexta-feira no Albert Einstein em SP

 (crédito: Alan Santos/PR)(crédito: Alan Santos/PR)

O presidente Jair Bolsonaro se submeterá a cirurgia de retirada de cálculo na bexiga na manhã desta sexta-feira (25/9) no Hospital Albert Einstein em São Paulo. O procedimento ocorrerá por volta das 10h30. Esta é a sexta cirurgia feito pelo presidente após a facada recebida em 2018, no período eleitoral.

O chefe do Executivo já está na cidade. Ele pernoitará em um hotel na capital e seguirá para o hospital no dia seguinte.


A cirurgia é considerada simples. A tendência é de que o procedimento não seja tão invasivo e não haja a necessidade de um corte na bexiga do presidente. A previsão é de que Bolsonaro fique de um a dois dias hospitalizado.


Para extrair a pedra, a equipe médica deve recorrer a uma técnica conhecida como cistolitotripsia. Esse método permite que um cano fino siga através do canal da uretra até chegar à bexiga, onde a pedra será fragmentada com a ajuda de um laser.

Ex-prefeita ‘ostentação’ é condenada a devolver mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos

Lidiane Leite, ex-prefeita de Bom Jardim (MA) — Foto: Arquivo pessoal

Lidiane Leite, ex-prefeita de Bom Jardim (MA) — Foto: Arquivo pessoal

A ex-prefeita de Bom Jardim, Lidiane Leite, que ficou conhecida como ‘prefeita ostentação’, foi condenada em dois processos, pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MA) a devolver R$ 1.066,024,79 aos cofres públicos por irregularidades em convênios realizados com a Secretaria de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid).

O TCE-MA alega que não houve a prestação de contas dos recursos que foram recebidos pelo município de Bom Jardim, durante o período em que ela foi prefeita. Lidiane Leite também foi condenada a pagar duas multas, que juntas, chegam a R$ 106.602,47 e são referentes aos dois processos.

A decisão foi acatada pelo conselho-substituto Melquizedeque Nava, sobre um parecer do Ministério Público de Contas do Maranhão.

Mais de 1,3 mil assaltos a ônibus foram registrados no primeiro semestre de 2020 em São Luís MA

 — Foto: Maurício Alexandre

— Foto: Maurício Alexandre

A Grande São Luís registrou, entre janeiro e junho de 2020, um total de 1.343 assaltos a ônibus, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública. Os números representam uma queda de 451 casos em relação ao mesmo período de 2019, quando o Maranhão, sem a pandemia da Covid-19, contou 1.794 casos de assalto a ônibus.

(CORREÇÃO: anteriormente, os dados fornecidos pela Secretaria de Segurança Pública ao G1 contavam 3.363 assaltos a ônibus no primeiro semestre de 2020. No entanto, esse dado específico estava equivocado. Na verdade, a soma do primeiro semestre conta 1.343 assaltos)

Apenas o mês de fevereiro de 2020 superou o número de registros em comparação ao ano anterior. Nos demais meses, a Região Metropolitana de São Luís registrou menos casos de assalto a ônibus. Veja os dados abaixo:

Reunião entre Secretaria e Sindicato

Após assaltos e latrocínios praticados em transportes públicos em São Luís, o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão e a Secretaria de Segurança Pública (SSP) fizeram uma reunião para discutir medidas de segurança nos ônibus da Região Metropolita de São Luís.

Avião é consumido pelo fogo após pouso forçado em fazenda Pará

Segundo informações, era volta de 15h30 de quarta-feira (23), quando um avião monomotor – prefixo não identificado – teve que realizar um pouso forçado e pegou fogo. O acidente ocorreu em uma propriedade rural aproximadamente 1km da pista da pedreira no município de Novo Progresso, no oeste do Pará.

Conforme apuração da reportagem do Jornal Folha do Progresso que esteve no local , a aeronave da empresa “Metralha” tinha acabado de  decolar da pista da pedreira , carregado de óleo diesel, houve falha mecânica, o piloto teve que pousar na pastagem, saiu ileso, não teve vítimas.

Fonte: O Impacto

(Com informações Jornal Folha do Progresso)

Covid-19 voltou: Manaus volta a fechar bares, balneários e praias após aumento de internações

O governo do Amazonas voltou a decretar o fechamento de bares, balneários e praias em Manaus, no estado do Amazonas. A medida foi anunciada nesta quinta-feira, 24, e ocorre após aumento no número de internações em unidades de saúde particulares, conforme informou o governador Wilson Lima (PSC).

As restrições devem durar 30 dias.  Manaus tem 48.389 pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia e começou a flexibilizar o isolamento social em junho. As aulas presenciais nas escolas públicas estão mantidas. 

De acordo com governo, há uma tendência de aumento de casos de covid-19, observada nas últimas semanas devido, principalmente, a aglomerações, conforme monitoramento da vigilância epidemiológica.

O estado do Amazonas contabilizou nove mortes por dia na última semana — a variação foi de 39% em relação à média de 14 dias anteriores. “Estamos tomando hoje medida restritivas e fechamento de estabelecimentos para priorizar o que é importante. Não vou deixar balada aberta e escola fechada”, disse o governador em entrevista coletiva nesta quinta-feira. 

A medida, que ainda será publicada no Diário Oficial do Estado, vai suspender funcionamento de bares que não tenham funcionamento primário como restaurantes. Lojas de conveniência e restaurantes poderão funcionar até as 22h. 

Fonte: Roma News

Marco Aurélio conclui voto a favor de depoimento por escrito de Bolsonaro

Marco Aurélio vota em depoimento por escrito de Bolsonaro

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), concluiu seu voto a favor de que o presidente Jair Bolsonaro dê depoimento por escrito no inquérito que apura se houve tentativa de interferência na Polícia Federal.

Marco Aurélio é o relator em substituição do recurso em que a Advocacia-Geral da União pede para o depoimento do presidente ser feito por escrito. Na quarta-feira (23), Marco Aurélio liberou o caso para análise no plenário virtual (onde todos os ministros votam remotamente) e inseriu seu voto no sistema interno do STF. A TV Globo teve acesso ao documento.

O relator original do caso, ministro Celso de Mello, havia determinado o depoimento presencial. Como Celso está de licença médica até o fim desta semana, Marco Aurélio assumiu, como preveem as regras regimentais.

Celso de Mello havia argumentado que as explicações por escrito são permitidas aos chefes dos três poderes da República que figurem como testemunhas ou vítimas, não quando na condição de investigados ou réus. Nesse caso, Bolsonaro é investigado.

Segundo o documento obtido pela TV Globo, Marco Aurélio vai defender que o presidente tem a prerrogativa de depor por escrito mesmo quando figura como investigado num inquérito.

Ao defender a extensão do benefício de depor por escrito de testemunha para uma autoridade investigada, Marco Aurélio faz uma diferenciação entre as duas figuras. O ministro ressaltou que um testemunha, quando é convocada a depor, precisa se comprometer a falar a verdade, caso contrário, pode responder criminalmente se for descoberto que mentiu. Já o investigado não é nem mesmo obrigado a falar, podendo se reservar ao direito de permanecer em silêncio.

“O sistema não fecha. Como testemunha, é possível o depoimento, por escrito. Como envolvido não o é. A paixão é traiçoeira e, no campo jurídico, reflete a mentira, sendo merecedora da excomunhão maior, já que processo não tem capa, tem conteúdo. Indaga-se, sob o ângulo até do bom senso – e direito, instrumental ou substancial, é bom senso”, afirmou.

Marco Aurélio cita que os colegas Luís Roberto Barroso e Edson Fachin já tiveram esse mesmo entendimento.

O recurso da AGU vai ser analisado pelo plenário virtual do STF entre os dias 2 e 9 de outubro.

O ministro ressaltou que não cassou a decisão de Celso de Mello que determinou o depoimento presencial do presidente. Marco Aurélio disse que atuou “por cautela”, uma vez que a Polícia Federal havia intimado o presidente a prestar esclarecimentos entre os dias 21 e 23 deste mês.

O ministro argumentou que, diante da dúvida se o depoimento deve ser presencial ou por escrito, o melhor é esperar uma definição do plenário da Corte. Para ele, o “colegiado está acima dos integrantes, pouco importando antiguidade”.

Marco Aurélio também criticou indiretamente a inclusão do ex-ministro Sergio Moro como investigado, como requereu o procurador-geral da República. Ele reforçou que o MP atua na defesa da sociedade. “Na visão geral, este inquérito fez-se voltado a objetivo discrepante da finalidade – aplainar campo a certa responsabilidade por denunciação caluniosa [eventual implicação a Moro]. Recuso-me a acreditar nessa premissa. O Ministério Público atua em defesa e proteção da sociedade, tendo a primazia da ação penal pública incondicionada. Assim o vejo. Assim deve parecer. Assim o é”.

Operação da PF mira exploração ilegal de diamantes em terras indígenas em RO

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (24) a Operação Crassa, contra a exploração ilegal de diamantes na Terra Indígena Cinta Larga e na Reserva Roosevelt, em Rondônia.

No total são cumpridos 53 mandados de busca e apreensão no interior de Rondônia e em São Paulo, Roraima, Paraná, Piauí, Mato Grosso, Minas Gerais e Distrito Federal.

Entre os alvos da operação estão indígenas, garimpeiros, intermediadores responsáveis por avaliar o valor das pedras preciosas e também por fazer a ponte com os compradores, e empresários. De acordo com a investigação da PF, indígenas autorizavam a entrada de garimpeiros na reserva.

Os diamantes, segundo a PF, são retirados ilegalmente e passam por avaliação do intermediador até serem vendidos em joalherias — principalmente em São Paulo e no exterior, em países como França, Itália e Suíça.

Os diamantes da reserva estão entre os que são considerados os mais valiosos do mundo. A investigação, que começou em 2018, identificou que o esquema movimenta cerca de US$ 20 milhões por mês.

Diamante apreendido durante investigações da Polícia Federal em Terra Indígena de Rondônia  — Foto: PF/Divulgação

Diamante apreendido durante investigações da Polícia Federal em Terra Indígena de Rondônia — Foto: PF/Divulgação

Investigações

Diamante apreendido durante investigações da Operação Crassa em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

Diamante apreendido durante investigações da Operação Crassa em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

Segundo a PF, o trabalho investigativo começou com a prisão em flagrante de três pessoas em posse de diamantes em 2018. Eles haviam se deslocado de São Paulo a Rondônia para adquiri-las. Na ocasião, admitiram que os diamantes eram da Reserva Roosevelt.

Durante as investigações, foram identificados os demais participantes do esquema. Entre os crimes investigados estão organização criminosa, usurpação de bens da União e lavagem de dinheiro.

A assessoria da Polícia Federal em Rondônia explica que o termo “crassa”, que dá nome à operação, faz referência ao estado bruto dos diamantes. No início das investigações, foi encontrada a sinalização “bruto” ao lado dos contatos relacionados aos garimpeiros e intermediários do comércio ilegal na agenda dos suspeitos presos em flagrante.

Extração ilegal de diamantes na Terra Indígena Cinta Larga em Rondônia  — Foto: PF/Divulgação

Extração ilegal de diamantes na Terra Indígena Cinta Larga em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

Eleições 2020: Celso Russomanno tem 29% das intenções de votos e Bruno Covas, 20%, aponta Datafolha

Celso Ressumanno (Republicanos) e Bruno Covas (PSDB)

Celso Ressumanno (Republicanos) e Bruno Covas (PSDB)
Foto: Christian von Ameln/Bruno Escolastico/Photo Press/Folhapress

Foram ouvidos 1.092 eleitores da capital paulista entre 21 e 22 de setembro

Publicado em 24/09/2020 10:04 – Atualizado em 24/09/2020 10:07Por: Da Reportagem

A pesquisa Datafolha publicada nesta quinta-feira (24) pelo jornal “Folha de S. Paulo” indica os seguintes percentuais de intenção de voto para a Prefeitura de São Paulo:

Celso Russomanno (Republicanos): 29%; Bruno Covas (PSDB): 20%; Guilherme Boulos (PSOL): 9%; Márcio França (PSB): 8%; Jilmar Tatto (PT): 2%; Arthur do Val (Patriota): 2%; Andrea Matarazzo (PSD): 2%; Vera Lúcia (PSTU): 2%; Joice Hasselmann (PSL): 1%; Levy Fidelix (PRTB): 1%; Marina Helou (Rede): 1%; Orlando Silva (PC do B): 1%; Filipe Sabará (Novo): 1%; Branco ou nulo: 17% e; não sabe: 4%.

A pesquisa também questionou em quem os eleitores não votariam de jeito nenhum, veja:

Bruno Covas (PSDB): 31%; Levy Fidelix (PRTB): 30%; Joice Hasselmann (PSL): 28%; Guilherme Boulos (PSOL): 24%; Celso Russomanno (Republicanos): 21%; Arthur do Val (Patriota): 19%; Jilmar Tatto (PT): 19%; Vera Lúcia (PSTU): 19%; Orlando Silva (PC do B): 18%; Márcio França (PSB): 17%; Filipe Sabará (Novo): 16%; Marina Helou (Rede): 16%; Antônio Carlos Silva (PCO): 15% e; Andrea Matarazzo (PSD): 15%;  rejeita todos ou não votaria em nenhum: 7%; votaria em qualquer um ou não rejeita nenhum: 3% e; não sabe: 6%.

Pesquisa

A pesquisa possui uma margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Foram ouvidos 1.092 eleitores da capital paulista entre 21 e 22 de setembro.

Com vigor, PT disputa eleições em mais de 4 mil munícipios

PT disputa eleições em mais de 4 mil munícipiosO balanço preliminar das candidaturas do Partido dos Trabalhadores às eleições municipais deste ano mostrou o vigor da legenda. O PT contará com 1.600 candidatos e candidatas disputando às prefeituras, quase o dobro de 2016. Os candidatos e candidatas à vereança chegaram a 21 mil postulantes em mais de 4 mil munícipios.

“Esses números expressam o esforço político da direção nacional do PT e o grande empenho da presidenta Gleisi Hoffmann (PT-PR) em implementar essa diretriz”, destacou o deputado José Guimarães (PT-CE). José Guimarães coordenou o GTE – Grupo de Trabalho Eleitoral que mobilizou a militância petista em todo o território nacional.

O PT terá candidaturas em 26 capitais, das quais 20 com candidaturas próprias e 6 em coligação com outros partidos. Em cidades com mais 200 mil habitantes, o PT disputará a prefeitura em 57 com candidatura própria e outras 13 em coligação. Em cidades entre 100 e 200 mil habitantes, terá 65 candidaturas próprias e 28 em coliga