Tentativa de assalto à Caixa de Ourilândia é frustrada, mas gerente permanece com bomba no corpo

Com informações de Jucelino Show

Agência da Caixa Econômica Federal de Ourilândia do Norte continua cercada por policiais militares em razão da existência de uma tentativa de roubo na manhã desta quarta-feira (11/07), por volta das 10 horas.

Consta nas informações, que os assaltantes sequestraram o gerente financeiro da agência na casa dele e colocaram em volta de seu corpo dinamites e ficaram com o detonador, ordenando em seguida que ele fosse ao banco pegar dinheiro, sob pena da bomba ser disparada.

Alguém do banco desconfiou de alguma coisa e chamou à polícia, que cercou o local e isolou a área, evitando que alguém se aproxime da agência.

Reforço policial foi chamado de Tucumã. Também estariam a caminho de Ourilândia policiais militares de São Félix do Xingu e Xinguara.

Um especialista em explosivo está sendo aguardado em Ourilândia para desarmar a bomba no corpo do gerente, que permanece dentro da agência em companhia de alguns funcionários.

As duas pistas da avenida próximo a Caixa, que haviam sido interditadas ao trânsito, acabaram de ser liberadas pela polícia, mas o cerco a agência continua. Até agora ninguém havia sido preso.

Senado aprova ampliação da potência de rádios comunitárias

Senado aprovou nesta terça-feira (10) um projeto que prevê o aumento de potência máxima de rádios comunitárias, dos atuais 25 Watts para até 150 Watts.

O projeto foi apresentado pelo senador Hélio José (Pros-DF) e seguirá para análise da Câmara dos Deputados.

Para virar lei, o texto ainda precisa ser aprovado pelos deputados e sancionado pelo presidente Michel Temer.

Pela proposta, as novas regras entrarão em vigor 45 dias após a publicação do texto no “Diário Oficial da União”.

Mudanças

Inicialmente, a proposta previa que a potência máxima poderia chegar a 300 Watts. No entanto, um acordo feito entre os senadores reduziu o teto para 150 Watts.

Outra modificação, feita pelo relator, Otto Alencar (PSD-BA), diz respeito ao número de canais designados na faixa de frequência do serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada. O texto inicial previa três canais para essa finalidade. Alencar alterou para dois.

Essas modificações deverão ser regulamentadas pelo Ministério das Comunicações, ao qual caberá dizer qual potência será permitida em uma determinada localidade.

Segundo Otto Alencar, a aprovação da proposta só foi possível após essas alterações. Uma potência maior, de até 300 Watts, por exemplo, de acordo Alencar, poderia causar “interferências” no sinal de outras rádios.

Criação de 300 municípios ameaça implodir contas públicas, alerta governo

A equipe econômica disparou nos últimos dias alertas a lideranças políticas no Congresso Nacional para barrar a aprovação do projeto de lei complementar que abre caminho para a criação de 300 municípios. Faltando três meses para as eleições, o projeto de 2015 entrou na pauta de votação de quarta-feira (11), na Câmara, em regime de urgência.

A área econômica entende que o desmembramento dos municípios põe em risco as contas públicas. A avaliação é de que a facilitação da criação de novos municípios aumenta os gastos com a duplicação de funções das prefeituras sem a compensação de novas receitas para bancar o custo adicional.

O que a Globo esconde quando ataca Crivella

Por Coluna do Fraga

O jornal “O Globo” promove uma campanha feroz contra o prefeito do Rio Marcelo Crivella. Seria louvável se o objetivo fosse apenas a busca insaciável pela verdade dos fatos, a fiscalização impiedosa do poder, afinal, como dizia Millôr Fernandes, “jornalismo é oposição, o resto é armazém de secos e molhados”. Esse é o problema. Não se trata de rigor jornalístico e, sim, do “armazém de secos e molhados”.

Vamos prestar atenção em alguns números: em 2009, quando assumiu a prefeitura do Rio, Eduardo Paes aumentou a verba publicitária de R$ 650 mil para R$ 29 milhões, ou seja, inacreditáveis 4.432% a mais. Antes do fim do mandato, essa verba já era de R$ 150 milhões. O maior beneficiado por essa generosidade com o dinheiro do contribuinte carioca era, naturalmente, o grupo Globo. Em 2015, os veículos da família Marinho enchiam os cofres com R$ 23 milhões de verba publicitária, mas o dinheiro parrudo – R$ 132 milhões – vinha dos acordos firmados entre a Prefeitura e a Fundação Roberto Marinho e o Infoglobo.

Quando sucedeu Eduardo Paes, Crivella acabou com a farra. E começou a dar ao grupo Globo o mesmo tratamento dispensado aos outros veículos de comunicação. Com isso, o conglomerado de comunicação perdeu quase R$ 50 milhões de receita no ano passado. É desnecessário ressaltar que o prefeito fez apenas o que se espera de um gestor, mas os Marinhos não pensam assim. Não estão acostumados à concorrência. Está na gênese da empresa.

É importante lembrar aqui que antes do golpe de 1964, o jornal “O Globo” era insignificante no cenário nacional. Importantes mesmo eram o “Estado de S. Paulo” e o “Correio da Manhã”. Fundada em 26 de abril de 1965, a Globo só se tornou a Globo de hoje graças a um acordo com a Time-Life americana ( que gerou uma CPI no Congresso) e, principalmente, pelo apoio dos governos militares. O que Roberto Marinho deu em troca qualquer manifestante que ocupa as ruas desde os anos de chumbo sabe de cor e salteado.

Ao cortar as regalias do grupo Globo, Crivella ganhou um inimigo perverso. O mesmo inimigo que tentou derrubar Leonel Brizola, mesmo antes de ele assumir em 1982, ao divulgar os números fraudados da Proconsult. No poder, Brizola enfrentou bravamente a Globo, mas até hoje paga por isso ao ter seu nome associado, por exemplo, aos “arrastões”, prática de crime comum nas praias cariocas desde que o Rio é Rio, mas que os veículos dos Marinhos garantiam que era culpa dele.

Saída de CR7 do Real aumenta ainda mais chance de Neymar ficar no PSG

Ainda faltam 50 dias para o fechamento da janela europeia de transferências, mas será uma zebra se Neymar não disputar a próxima temporada pelo PSG. Hoje, a chance de ele seguir no clube francês é enorme.

Engana-se quem pensa que a saída de Cristiano Ronaldo poderia impulsionar a ida do brasileiro para o Real Madrid. Um dos fatores que atraíam Neymar a uma possível transferência era justamente a possibilidade de atuar junto ao português, vendido nesta terça-feira para a Juventus.

Câmara do Rio suspende recesso e analisará impeachment de Crivella

A Câmara de Vereadores do Município Rio de Janeiro fará sessão extraordinária nesta 5ª feira (12.jul.2018) para analisar pedidos de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella (PRB). A informação foi confirmada pelo vereador Reimont Luiz (PT) nesta 3ª feira (10.jul).

Segundo Reimont, a oposição conseguiu reunir 17 assinaturas necessárias para suspensão do recesso legislativo para a análise dos requerimentos pelo Legislativo. Os vereadores estão em recesso desde o dia 4 de julho.

Homem é preso depois de pular muro para dizer que ama vizinha no DF

Um homem de 27 anos foi preso na noite deste domingo (8) depois de pular o muro da casa de uma vizinha e declarar que amava a mulher. Segundo a vítima, que tem 46 anos, o rapaz entrou na casa, no Paranoá, a agarrou e disse que ela “seria dele”.

A Polícia Militar, que foi chamada para atender a ocorrência, informou que a mulher gritou por socorro e um outro vizinho foi ajudá-la. O suspeito foi preso pela PM e levado para a 6ª DP onde foi autuado por constrangimento ilegal, violação de domicilio e ameaça.

De acordo com os militares, ele disse que “só queria conversar com a vizinha”. Já a mulher, conforme os policiais, confirmou que foi agarrada pelo jovem.

Deputado Carlos Bordolo e o desemprego no Brasil

O deputado estadual Carlos Bordolo (PT) disse que o medo do desemprego volta a crescer entre os brasileiros. Índice do Medo do Desemprego, divulgado ontem, 09 de julho de 2018, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), subiu para 67,9 pontos em junho, um dos mais elevados da série histórica, iniciada em 1996. Esse temor, que atinge, principalmente, homens e pessoas com menor grau de instrução, fez com que o indicador ficasse 18,3 pontos acima da média histórica de 49,6 pontos. A chamada “Ponte para o Futuro” vai jogando o Brasil no desalento e na incerteza.