Mecânico de moto abatido à bala em Floresta do Araguaia

ilustração

Por volta das o7h30 da manhã desta quinta-feira (26/04), no setor Vila Nova, em Floresta do Araguaia, ocorreu o assassinato do mecânico de moto, Amilton Calacio Santana, 42 anos e idade, casado. Ele foi abatido a bala quando estava em frente a sua residência, por um homem armado com uma pistola 380 milímetros, que após efetuar os disparos na vítima, fugiu do local.

Jornal catalão coloca Rodrygo, joia do Santos, na mira do Barcelona

Joia das categorias de base do Santos, Rodrygo é a manchete da capa do “Sport”, da Catalunha. O jornal coloca o jovem atacante de 17 anos do Peixe na mira do Barcelona. Ao GloboEsporte.com, representantes do garoto negaram a procura do clube espannhol.

– O Barça deu os primeiros passos para contratar a nova estrela do Santos. Os relatórios que o clube (Barcelona) tem desse ponta são impressionantes – diz a chamada, que diz que Rodrygo é um dos objetivos do time blaugrana.

Rodrygo sempre foi o principal destaque da base do Peixe nos últimos anos. Ele tem contrato com o Santos até 2022, com multa rescisória de 50 milhões de euros (aproximadamente R$ 210 milhões).

Antes de renovar, ele recebeu proposta do Liverpool, da Inglaterra, e sondagens de outros clubes da Europa. Para concluir a negociação em julho, o Santos ofereceu um bom salário e plano de carreira.

Neymar e a honra por jogar com Iniesta: “Contarei aos amigos, filhos e família”

Entre as tantas mensagens a Iniesta nesta sexta-feira, Neymar destacou a sua admiração ao “maestro” com quem dividiu o vestiário entre 2013 e 2017. O craque brasileiro do Paris Saint-Germain escreveu um texto, postado em suas redes sociais, para destacar a sua admiração pelo meia-campista, que nesta sexta-feira anunciou a sua saída do Barcelona.

“Maestro, que honra fazer parte da sua trajetória no Barcelona. Já te admirava de longe e depois que passei a estar mais perto me apaixonei ainda mais pelo seu futebol e muito mais pela pessoa que você é fora de campo… Sempre vou contar aos meus amigos, filhos e família que tive o prazer de celebrar gols e títulos ao seu lado

Prefeitura de Palmas decreta luto de três dias pelo falecimento do ex-secretário Júnior Coimbra

A prefeita de Palmas, Cinthia Ribeiro (PSDB), decretou luto oficial no município por três dias em pesar à morte do ex-deputado federal Raimundo Coimbra Junior, ocorrida em acidente de trânsito na TO-070. O decreto foi publicado em edição suplementar do Diário Oficial desta quinta-feira, 26. O luto manifesta o pesar da prefeita e de todos os companheiros de gestão, do qual Junior Coimbra colaborou como secretário de governo. Os serviços da prefeitura continuam funcionando normalmente.

Coimbra era jornalista com longa história política no Tocantins. Foi prefeito de Itaporã (TO), vereador de Palmas, deputado estadual, presidente da Assembleia Legislativa, deputado federal e, recentemente, secretário de governo da Prefeitura de Palmas. Deixou o cargo em abril para se dedicar à campanha eleitoral de Carlos Amastha ao Palácio Araguaia.

“Seu amor por Palmas é inegável e somos gratos por esta devoção e dedicação integral à política do Tocantins. Em nome de todos os servidores da Prefeitura de Palmas, transmito os nossos sentimentos de pesar”, ponderou a prefeita Cinthia Ribeiro, após a confirmação da morte de Coimbra.

O velório acontece nesta sexta-feira, 27, na Assembleia Legislativa. Junior Coimbra tinha 53 anos e deixa esposa, a vereadora de Palmas Laudecy Coimbra, quatros filhos e um neto. (Com informações da Secom Palmas)

Arrecadação cresce 3,95%, melhor resultado para março em 3 anos

Beneficiada pela recuperação da economia e pelo aumento dos tributos sobre os combustíveis, a arrecadação federal cresceu acima da inflação pelo quinto mês seguido.

Segundo números divulgados pela Receita Federal, o governo arrecadou R$ 105,659 bilhões em março, alta de 3,95% em relação ao mesmo mês do ano passado, descontada a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em valores corrigidos pelo IPCA, a arrecadação atingiu o melhor nível para o mês de março desde 2015. Nos três primeiros meses de 2018, a União arrecadou R$ 366,401 bilhões, alta de 8,42% acima do IPCA em relação ao primeiro trimestre do ano passado, sendo o melhor resultado para o período desde 2014.

De acordo com a Receita Federal, a arrecadação aumentou R$ 4,01 bilhões em relação a março do ano passado em valores corrigidos pelo IPCA.

Desse total, parte do crescimento foi provocado pela elevação de tributos sobre os combustíveis e outra parte decorreu do Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), também conhecido como Novo Refis.

No entanto, se forem descontadas fatores externos, a arrecadação teria crescido 2,16% acima da inflação na mesma comparação.

Em vigor desde o fim de julho do ano passado, a elevação do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre os combustíveis reforçou os cofres federais em R$ 2,261 bilhões em março, contra R$ 1,192 bilhão no mesmo mês de 2017.

Beneficiadas pelo aumento da cotação do petróleo no mercado internacional, que influencia o pagamento de royalties, as receitas não administradas pelo Fisco cresceram 8,26% na mesma comparação, se for descontada a inflação.

Recuperação

Mesmo com fatores externos, a recuperação da economia contribuiu para a melhora da arrecadação federal.

Segundo a Receita Federal, o aumento de 5,21% nas vendas de bens, além do reajuste das alíquotas sobre os combustíveis, impulsionou a arrecadação de PIS/Cofins em março, que cresceu 10,16% acima da inflação oficial em relação a março do ano passado.

A alta de 2,77% na produção industrial fez a arrecadação de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) subir 9,06% acima do IPCA na mesma comparação.

Outros tributos cujas receitas estavam subindo nos últimos meses voltaram a cair. A arrecadação de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) recuou 3,78% em março, descontada a inflação no período. De acordo com a Receita Federal, a antecipação de pagamentos pelas empresas em janeiro e fevereiro contribuiu para a queda no mês passado.

A estagnação da massa salarial, apesar da recuperação do emprego formal, fez a arrecadação das contribuições para a Previdência Social cair 0,53%, descontado o IPCA, na mesma comparação.

Segundo a Receita, a soma dos salários na economia cresceu 0,38% em fevereiro (fato gerador para o mês de março), mas a atualização pela inflação oficial resultou numa diminuição real dos salários em 0,06%.  ( Fonte: Agência Brasil )

Aprovado projeto que destina 30% da arrecadação com multas de trânsito para saúde

O senador Eduardo Amorim (PSDB-SE) é o autor do projeo que destina 30% do valor das multas de trânsito para o SUS
Roque de Sá./Agência Senado

O Plenário aprovou na terça-feira (24) proposta que destina 30% da arrecadação com multas de trânsito para o Sistema Único de Saúde (SUS). O Projeto de Lei do Senado (PLS) 426/2012, do senador Eduardo Amorim (PSDB-SE), segue para análise da Câmara dos Deputados.

O texto foi aprovado na forma de parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), onde foi relatado pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP).

Ela fez duas mudanças importantes. Uma estabelece que as verbas geradas pelas multas não serão levadas em conta para atender à exigência constitucional de aplicação de um percentual mínimo de recursos na saúde.

Assim, essa transferência deverá representar um acréscimo aos investimentos obrigatórios na saúde pública a cargo da União, dos estados, Distrito Federal e municípios.

A outra mudança derrubou emenda ao PLS aprovada pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS), que destinava os 30% da arrecadação com multas de trânsito para o Fundo Nacional de Saúde (FNS).

Com isso, ficou preservado dispositivo da Lei do SUS (Lei 8.080/1990) que determina o crédito direto das receitas geradas no âmbito do sistema em contas especiais, movimentadas pela sua direção, dentro da esfera de poder onde foram arrecadadas.

Prioridades

Marta explicou que dessa forma evitou-se a concentração de recursos. Ela salientou que a centralização desses recursos no âmbito do Fundo Nacional de Saúde contradiz a regra prevista na Lei 8.080/1990, segundo a qual a descentralização é estabelecida como uma das diretrizes para a atuação dos entes federados na prestação dos serviços e na promoção das ações de saúde.

Nós entendemos que os recursos devem ser utilizados de acordo com as prioridades de cada ente federativo.

Esse é um projeto muito importante para a pauta municipalista. Isso porque, de acordo com os dados do Departamento de Informática, atualmente existem 10.188 estabelecimentos de saúde que ofertam serviços de urgência, dos quais 69,7% estão sob a gestão municipal.

Isso significa dizer que a maioria desses serviços está sob a responsabilidade dos municípios, que são os que enfrentam grandes dificuldades financeiras para custeá-los — explicou a senadora.

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que votaria a favor do projeto, mesmo sendo contrário a ele.

Nós temos que garantir que haja mais recurso do governo federal porque hoje, proporcionalmente, quem está investindo menos é o governo federal. Então, nós teríamos que ter a garantia de recurso federal novo para o financiamento da saúde.

Mas é como se nós estivéssemos cobrindo um santo e descobrindo outro. O que nós precisamos são de fontes estáveis e não de puxadinhos — argumentou.

O autor da proposta, Eduardo Amorim, argumentou que, quando não há a compreensão do que se deve destinar para a saúde, é melhor ir convencendo “de puxadinho em puxadinho” do que ficar sem o recurso.

Sabemos que o recurso da multa de trânsito que deveria ser destinado para educação, para prevenção, cai numa vala comum e pouco vai para educação.

Há cidades e estados Brasil afora que arrecadam milhões e milhões com esses recursos da multa de trânsito e não vai uma gota sequer para o sistema de saúde.

É mais do que justo realmente que um projeto como este seja aprovado. É um recurso extra para o nosso combalido SUS — defendeu.

Tramitação conjunta

O PLS 426/2012 tramitava em conjunto com o PLS 193/2011, que foi rejeitado por fixar um percentual menor de repasse das multas para a saúde (15%) e restringir sua aplicação ao atendimento de vítimas de acidentes de trânsito.

O texto foi aprovado em decisão terminativa na CCJ, mas foi a Plenário por requerimento do senador Fernando Bezerra Coelho (PMDB-PE) pedindo para que a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) também seja ouvida. O requerimento, entretanto, foi rejeitado em Plenário. (Fonte: Agência Senado )