OMS está reunida em Genebra com especialistas para discutir coronavírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS)  realiza reuniõees de dois dias, a partir desta terça-feira (11), em Genebra na Suiça, com o objetivo de discutir medidas para lidar com o surto do novo coronavírus.

A OMS informou que convidou especialistas, profissionais da área médica e outros para a reunão. Entre os tópicos a serem discutidos está o desenvolvimento de formas de tratamento e de vacinas eficientes contra o vírus. Segundo a entidade, não existe cura eficaz no momento.

A Organização Mundial da Saúde também solicita cooperação financeira de países-membros da instituição, acrescentando que são necessários US$ 675 milhões nos próximos três meses para ajudar nações com sistemas médicos precários.

EUA retiram Brasil da lista de nações em desenvolvimento e restringe benefícios comerciais ao país

 | Reprodução
Ogoverno de Donald Trump publicou nesta segunda-feira (10) uma norma que retira o Brasil da lista de nações consideradas em desenvolvimento e que dava ao país determinados privilégios comerciais.

Além do Brasil, foram afetados outros 18 países, como Argentina, Índia e Colômbia, que agora podem ser alvo dos EUA caso seja comprovado que eles subsidiam produtos acima de um determinado teto, por exemplo.

O principal objetivo do governo Trump, segundo nota, é reduzir o número dos países em desenvolvimento que poderiam receber tratamento especial sem serem afetados por barreiras contra seus produtos.

O americano quer atingir principalmente a China, potência asiática com quem trava uma guerra comercial há anos e que também se apresenta na OMC (Organização Mundial do Comércio) como país em desenvolvimento.

Durante a visita de Jair Bolsonaro a Washington, em março do ano passado, o presidente brasileiro aceitou abrir mão de seu status de país em desenvolvimento na OMC em troca do apoio dos EUA à entrada do Brasil na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), o clube dos países ricos.

Top five das fake news na saúde!

Top five das fake news na saúde!
Depois da política, a saúde se tornou um terreno muito fértil para as fake news nas redes sociais. As notícias falsas, geralmente com títulos bombásticos, se espalham mais rápido do que vírus pelos celulares das pessoas. E uma das principais características é fisgar o leitor dizendo que ele está sendo enganado, com frases do tipo “o governo e a indústria não querem que você saiba disso”. “Basta usar esse argumento e pronto, a pessoa vai ler. Por isso, criamos, há um ano, um canal de esclarecimento no Whatsapp e um site na internet para desmentir essas notícias e hoje já contabilizamos mais de 21 mil tipos de mensagens”, explica o diretor de comunicação social do Ministério da Saúde, Ugo Braga. Segundo ele, com o surgimento do coronavirus, houve uma explosão das fake news, não só no Brasil mas mundo afora. A disseminação está tão intensa que o Ministério, além de usar o Whatsapp, precisou fazer acordos com o Twitter e Facebook para divulgar sua página com esclarecimentos oficiais sobre a doença e desmentir mensagens mentirosas que circulam pelos celulares, que já tem mais variáveis do que o próprio vírus. “Nas redes sociais nós conseguimos detectar as notícias falsas e desmentir no ato, mas o Whatsapp é um grande muro e só conseguimos desmentir quando as pessoas nos enviam a fake news”, acrescenta.

Lula: ‘há 40 anos dizendo que PT vai afundar, quem afundou foi Veja’

Ex-presidente Lula lembrou da derrocada econômica da revista Veja, cuja edição desta sexta-feira, 7, tenta vender a ideia de que as forças progressistas do país são reféns do ex-presidente. “A Veja quebrou por incompetência e foi vendida por menos que um apartamento do Minha Casa, Minha Vida”

(Foto: Reprodução | Brasil 247)
 O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reagiu nesta sexta-feira, 7, com ironia à capa da revista Veja que circula neste fim de semana, com novos ataques ao PT.

Pelo Twitter, Lula lembrou da derrocada financeira do grupo Abril, após décadas de perseguição política contra o ex-presidente e seu partido.

“Faz quase 40 anos que a Veja fala que o PT vai afundar e quem afundou foi a Veja… Quebrou por incompetência e foi vendida por menos que um apartamento do Minha Casa, Minha Vida”, disse Lula.

Na edição desta sexta-feira, a Veja ifunde uma tese que se torna cada vez mais um mantra das forças de direita e de alguns rivais de Lula na centro-esquerda – a de que as forças progressistas do país são reféns do ex-presidente, pois este desagrega e impede a união

Após ameaça de resgate do PCC, Exército é escalado para proteger presídio

OPERAÇÃO DE GUERRA – Marcola na ida a hospital para fazer colonoscopia: esquema de segurança para evitar resgate Adriano Machado/Reute

O presidente Jair Bolsonaro autorizou o uso das Forças Armadas para fazer a segurança do presídio federal de Brasília, onde estão presas as lideranças do Primeiro Comando da Capital (PCC), entre elas Marco Camacho, o Marcola. Segundo texto publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial, os militares devem fazer a “proteção do perímetro externo” da penitenciária no período entre 7 de fevereiro e 6 de maio de 2020.

As autoridades estão em nível máximo de alerta desde que foi descoberto um plano de resgate da cúpula da facção criminosa no fim do ano passado. Em dezembro, as forças de segurança de Brasília encaminharam um informe confidencial ao staff do ministro da Justiça, Sergio Moro, afirmando que estava sendo arregimentada uma equipe para retirar as lideranças de Brasília. Investigadores estimam que a logística do plano não sairia por menos de 30 milhões de reais, valores facilmente recuperáveis com a venda de apenas 200 quilos de cocaína em portos europeus. Um drone até chegou a ser visto sobrevoando o presídio no dia 20 de dezembro

Lulinha será preso?

Crédito: Sérgio Lima

Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, um dos filhos de Lula, parece seguir os passos do pai, a caminho de uma condenação por corrupção em 2020. A PF e o MPF investigam suas ligações com o petrolão há anos, mas a Operação Mapa da Mina o colocou muito perto de uma cela onde o ex-presidente ficou 580 dias. Está se comprovando que o apartamento luxuoso, de 335 m2, que Lulinha “alugou” nos Jardins — e que no papel pertenceria a Jonas Suassuna, seu sócio em vários negócios —, na verdade seria mesmo do filho do ex-presidente. Suassuna é também o dono do Sítio de Atibaia, usado pelo ex-presidente, razão pela qual foi condenado a 17 anos de prisão em segunda instância recentemente. Afinal, a prisão em segunda instância poderá voltar a valer em 2020, por meio de decisão do Congresso.

O fantasma de Moro

Crédito: Paulo Lisboa

O ministro da Justiça, Sergio Moro, transformou-se numa pedra no sapato dos políticos tradicionais que estão de olho em 2022, especialmente Lula e Bolsonaro. Lula está denunciando-o na ONU, afirmando que ele o condenou para ser candidato a presidente. Bolsonaro não pode demiti-lo em razão de sua popularidade. Tentou enfraquecê-lo, ameaçando dividir o ministério em dois, mas a reação da sociedade o fez voltar atrás. Prometeu indicá-lo para o STF e depois negou que o tivesse feito. Agora, diante da ameaça de uma hipotética candidatura do ministro a presidente, voltou a avaliar que é melhor tê-lo no STF, pois assim tira-o definitivamente do páreo. Afinal, um ministro do Supremo fica no cargo até os 75 anos e Moro só tem 47: emprego garantido por mais 28 anos.

Pesquisa eleitoral: Presidente da Alepa disparado para prefeito

Pesquisa da Doxa aponta que se a eleição fosse hoje o presidente da Alepa, deputado Dr. Daniel Santos (MDB), ganharia com 74,3% dos votos válidos a prefeitura de Ananindeua. Ele também é o menos rejeitado pelos eleitores. A não ser que aconteça algum fato político muito grave, é praticamente impossível alterar esse quadro, que se desenha desde o ano passado com a liderança imbatível do jovem político que saiu da presidência da Câmara de Ananindeua diretamente para a do Poder Legislativo do Pará. As gestões do prefeito Manoel Pioneiro, do governador Helder Barbalho e do presidente Jair Bolsonaro também foram avaliadas pelo eleitorado ananin.
Na estimulada, o Dr. Daniel (MDB) lidera com 57,5% e o segundo colocado, deputado estadual Miro Sanova (PDT) fica  com 8,2%. Newton do PT e Carlito Begot empatam com 3,3%. Capitão Marcony tem 2,8%, Beto Andrade 1,6% e Alan Bittar 0,7%. Brancos/Nulos somam 10,3 e indecisos, 12,3%. Quando se retiram os votos brancos e nulos, deixando só os votos nominais, que é como o TRE calcula na eleição, o resultado é: Dr. Daniel (MDB) com 74,3%; Miro Sanova, 10,6%; Carlito Begot e Newton do PT com 4,3%; Capitão Marcony com 3,6%. Beto Andrade 2,1% e Allan Bitar 0,9%.
Carlito Bergot e Newton do PT são os mais rejeitados, com 11,5% e 11,3%, respectivamente. Depois vem o Capitão Marcony, com 8% de rejeição. Miro Sanova é rejeitado por 6,3% dos eleitores, seguido de Alan Bitar, com 6,1%, e Beto Andrade, com 4,5%. Dr. Daniel é o menos rejeitado, com apenas 2,6%. Outros 40,1% não opinaram.
Na pergunta espontânea (que não apresenta os nomes dos pré-candidatos), o Dr. Daniel tem 26,9% das intenções de voto. Em segundo lugar vem Miro Sanova com 4,2%. Jeferson Lima está com 2,1%; o vice-prefeito Carlito Begot tem 1,6%; Newton do PT, Beto e Alan Bitar empatam em 0,2% das intenções de voto. Os indecisos representam 52,8%, enquanto 10,5% têm intenção de anular o voto ou votar em branco.

O prefeito Manoel Pioneiro é avaliado negativamente por 44,2% dos eleitores (ruim/péssimo), e sua avaliação positiva é de 29,9% (excelente/bom). E 25,3% consideram regular o seu mandato.

Já o governador Helder Barbalho é aprovado por 42% (excelente/bom); avaliação negativa de 26,2% e 30,2% acham regular o seu mandato. Ainda aparecem 1,6% que não quiseram avaliar o governo.
Jair Bolsonaro foi avaliado negativamente por 31,1% dos eleitores de Ananindeua. E 32,9% avaliam positivamente seu governo. A avaliação regular soma 33,0%.
A margem de erro da pesquisa é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos na amostra. A pesquisa da Doxa foi registrada no TRE sob o nº PA-04653/2020 e realizada no período de 28 a 31 de janeiro de 2020, com 600 entrevistados em todos os bairros de Ananindeua. O nível de confiança utilizado é de 95%.

O plano para afastar Sergio Moro da disputa presidencial

ARMADILHA – Sergio Moro: vaga no STF e quarentena tirariam o ministro das eleições presidenciais de 2022 e 2026 Local: STJ – Brasília- DF Cristiano Mariz/VEJA

Sem saber, Sergio Moro se moveu em direção a uma armadilha na segunda-­feira 27. Uma semana depois de ameaçar deixar o governo por divergências com o presidente Bolsonaro diante da provável divisão da pasta da Justiça, o ministro foi indagado em entrevista ao programa Pânico, da Rádio Jovem Pan, sobre a possibilidade de assumir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF). Diplomático, respondeu que achava a perspectiva “interessante” e até “natural” para um ex-­juiz de carreira como ele, mas que a escolha evidentemente cabia ao presidente da República. Se ficaria satisfeito caso essa indicação viesse a acontecer? “Claro”, disse, sem hesitar. Moro também voltou a repetir que não será candidato a nada e que apoiará a reeleição de Bolsonaro. Foram declarações na medida para atenuar as intrigas e suspeitas que levaram ao estremecimento das relações entre o ministro e o presidente durante o primeiro ano do governo. Foi também a senha que alguns esperavam para tirar da gaveta um plano que se propõe a eliminar qualquer possibilidade de Moro disputar uma eleição nos próximos anos.

Pesquisas mostram que o ministro da Justiça, caso decidisse ingressar definitivamente no mundo da política, seria o único nome capaz de bater Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais. Moro nega que tenha a intenção de concorrer com o chefe. Chegou a dizer, em tom de brincadeira, que, se necessário, tatuaria na testa “Bolsonaro 2022” para não deixar dúvidas sobre sua postura. O presidente, porém, não acredita nessa convicção — de uns tempos para cá, elegeu o ministro como adversário e ensaiou demiti-lo mais de uma vez, mas foi advertido de que poderia estar disparando um tiro no próprio pé. O ministro é dono de uma sólida popularidade. Recentemente, o PSL, o partido que abrigava Bolsonaro até o fim do ano passado, encomendou uma pesquisa para medir a gestão de Bolsonaro no governo e de Moro no ministério. Resultado: Moro alcança 72% de avaliações positivas, enquanto Bolsonaro fica 40 pontos atrás. Esse cenário reforça teorias e suspeitas de que o ministro tentará voos políticos mais altos. Ao mesmo tempo, desencadeia reações no grupo que não vê essa possibilidade com bons olhos.

Na segunda-feira, logo depois da entrevista, a neutralização de uma eventual candidatura de Moro foi tratada numa conversa entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e lideranças partidárias. Muitos deputados gostaram de ouvir que o ministro ainda vê como uma perspectiva “interessante” a indicação do nome dele para o Supremo. Avaliam que essa pode ser a melhor e mais indolor saída para todas as partes — para o ex-juiz, que chegaria ao topo da carreira, para o presidente da República, que se livraria de um fantasma, e também para uma boa parte do Congresso, especialmente a turma dos enrolados na Lava-Jato e os que repudiam o comportamento de “justiceiro” do ministro. Em novembro, o decano do STF, Celso de Mello, completará 75 anos e será obrigado a se aposentar. Os parlamentares já enviaram recados ao presidente de que a indicação de Moro para a vaga não será um problema, e sim o início da solução. No Senado, onde ocorrerá a sabatina, Davi Alcolumbre, o presidente da Casa, avisou que a indicação seria aprovada com extrema facilidade. Mas ainda restou uma dúvida: o que garantiria que Sergio Moro não usará o próprio STF como trampolim para a carreira política?

Na reunião com as lideranças, Rodrigo Maia apresentou a solução: o Congresso tem na gaveta, pronto para ser votado, um projeto que prevê quarentena de seis anos para juízes e membros do Ministério Público que decidirem deixar a carreira e disputar eleições. Se aprovada, a quarentena abarcaria estrategicamente duas eleições majoritárias (2022 e 2026), quando são escolhidos os governadores, senadores e o presidente da República, e uma disputa municipal (2024). Dessa forma, numa hipótese absolutamente esdrúxula, se Moro assumisse a vaga de Celso de Mello em novembro e renunciasse depois para disputar uma eleição, ele seria imediatamente alcançado pela lei e só estaria apto a concorrer a partir de novembro de 2026. Se o objetivo dele for a Presidência da República, o projeto político terá de esperar até 2030. “Há um sentimento generalizado sobre a necessidade de impedir que agentes públicos se utilizem do poder e se transformem em xerifes, pensando em um capital eleitoral para se eleger”, disse Fábio Trad (PSD-MS), autor do projeto. Ele nega que sua proposta, apresentada no fim do ano passado, seja dirigida a impedir a candidatura de Moro. Na reunião, Rodrigo Maia informou que, assim que terminar o recesso parlamentar, em fevereiro, pretende votar a urgência do projeto, o que significa que ele poderá ser tirado da gaveta e entrar em pauta a qualquer instante. “A estratégia agora é convencer o Bolsonaro a indicar o Moro para o STF”, diz um dirigente partidário que tratou do assunto com Rodrigo Maia.

Coincidência? Neymar se lesiona pelo sexto ano seguido antes do Carnaval


Neymar rebolou bastante em 2019 no Carnaval de Salvador

 Neymar rebolou bastante em 2019 no Carnaval de Salvador | Reprodução

Adivinha quem se lesionou pela sexta vez consecutiva no período do Carnaval?! Isso mesmo: Neymar Júnior. No dia antes da sua famosa festa de aniversário, o brasileiro foi diagnosticado com uma lesão na costela.

A festa ocorreu no último domingo (02), um dia após a goleada por 5 a 0 diante do Montpellier, no Parque dos Princípes, em Paris, pelo Campeonato Francês. Neymar foi derrubado por Souquet, no final do primeiro tempo. Ao cair ele chorou e levou as mãos as costas. Ele caminhou para o vestiário. Porém, retornou ao segundo tempo.

Os exames apontaram um problema na cartilagem da costela e Neymar e sua ausência foi confirmada nesta terça-feira (04), contra o Nantes. Mesmo assim, o brasileiro curtiu bastante seu aniversário. A festa ocorreu em evento privado realizado na casa noturna Yoyo, em Paris.

Nego do Borel, Mumuzinho, Maiara e Maraisa, Rodriguinho, o surfista Gabriel Medina, e os jogadores Cavani, Thiago Silva, Marquinhos, Mbappé foram alguns dos convidados.

Coincidência?

Em um breve retrospecto, é possível destaca que nos últimos 5 anos, Neymar desfalca os clubes que joga neste período. A “data” é marcada pelo Carnaval e o aniversário da irmã, que sempre é marcado por festa. Em 2019, Neymar ficou afastado do PSG após lesionar o quinto metatarso do pé direito em janeiro. A previsão era de voltar aos gramados em um mês, nesse intervalo Neymar aproveitou o Carnaval como se “não houvesse o amanhã”. Teve bate-volta em Salvador e Rio de Janeiro, muito beijo na boca e rebolado até o cão.