Governo acelera obras no sul do Pará

A Secretaria de Estado de Transportes (Setran) está construindo 21 pontes em concreto na região Sul do Pará. Desse total, 18 estão em obras na PA-287, no sentido Cumarú do Norte; na PA-449, de Conceição do Araguaia até Floresta do Araguaia; e ainda nas PAs 327 e 287, na altura de Santa Maria das Barreiras. Outras três pontes em concreto.

As obras são resultado de um compromisso firmado pelo governador Helder Barbalho durante o Governo Por Todo o Pará nas regiões Sul e Sudeste do Estado no período de 2 a 5 de abril deste ano.

Rodovias – A PA-279 também está recebendo serviços de conservação, com previsão de ficar pronta em setembro próximo. Já a rodovia do Bambu já passou por manutenção em todos seus 42 km de extensão e está concluída.

Ainda na região Sul do Pará, o governo realizou serviços de conservação nos 14 km da PA-447, em Conceição do Araguaia. A via está completamente pronta para receber veranistas nesta reta final das férias de julho, assim como a PA-411, que vai da BR-158 ao Rio Araguaia, que teve todos os seus 45 km conservados. Também estão em fase final as obras nos 100 km da PA-287.

Outros serviços garantidos pelo governador Helder Barbalho, como a restauração da pista de pouso do aeródromo de São Felix e a conservação das PAs 327 e 463, estão em fase de abertura de licitação. As obras na PA-235, de Santa Maria das Barreiras ao Rio Araguaia, com extensão de 21 km; e na PA-449, de Conceição à Floresta do Araguaia, com 115 km; já estão sendo licitadas.

As obras no sul do Pará têm a supervisão do 5º Núcleo Regional da Setran, com sede em Conceição do Araguaia.

Consumo de alcool aumenta 42,9% entre as mulheres, mas homens morrem 9 vezes mais

De 2006 a 2018, o índice de mulheres que abusam do álcool subiu de 7,7% para 11%

Dados inéditos do Ministério da Saúde apontam que 17,9% da população adulta no Brasil fazem uso abusivo de bebida alcoólica. O percentual é 14,7% a mais do que o registrado no país em 2006 (15,6%). Mesmo com o percentual menor, as mulheres (11%) apresentaram maior crescimento em relação aos homens (26%), no período de 2006 a 2018. Em 2006, o percentual entre as mulheres era de 7,7% e entre os homens, 24,8%.
Os dados são da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, divulgados nesta quinta-feira (25), durante Reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), em Brasília (DF).

PF prende 4 hackers que invadiram celular de Moro

PF prende 4 hackers que invadiram celular de Moro

O ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro gesticula durante audiência na Comissão de Constituição e Justiça do Senado em Brasília, 19 de junho de 2019 – AFP/Arquivos

A PF cumpre quatro mandados de prisão temporária e sete de busca e apreensão em São Paulo, em Araraquara e Ribeirão Preto.

“As investigações seguem para que sejam apuradas todas as circunstâncias dos crimes praticados”, informou a PF.

Jornalista esportivo Juarez Soares morre aos 78 anos

 | Divulgação

O jornalismo esportivo do Brasil perdeu um dos seus grandes repórteres: morreu nesta terça-feira (23), Juarez Soares, de 78 anos. A causa da morte do profissional foi um câncer.

Nascido em São José dos Campos, no interior paulista, Juarez Soares trabalhou em grandes coberturas do esporte, como as Olimpíadas e a Copa do Mundo em emissoras como SBT e Band.

Juarez também atuou na área política, onde chegou a ser filiado do Partido Democrático Trabalhista (PDT), além de ser candidato a vice-prefeito de São Paulo na chapa liderada por Paulinho da Força Sindical, atualmente atuando como deputado federal.

Seu último trabalho na televisão foi em Abril deste ano, quando comentava no programa Bola na Rede, exibido pela RedeTV.

Homem usa fardamento da PM e é detido em Água Azul do Norte

A noite de domingo (21) reservou uma situação inusitada para policials no Município de Água Azul do Norte, no sudeste paraense:  um homem, Antônio Diones Justino Botelho, foi detido ao ser flagrado empurrando uma motocicleta pela pista da rodovia PA0278, usando um fardamento completo da Polícia Militar do Pará. O homem de 33 anos não integra a força de segurança do Estado.

A Polícia informou que o homem foi abordado pelos policiais legítimos por volta de 21h30. Ele empurrava uma motocicleta modelo Honda Bros com uma roda quebrada aí e dizia ser sua. No entanto, quando os policiais militares checaram o veículo no sistema, constataram que o dono era outro. Ele se defendeu dizendo que comprou o veículo, mas o antigo dono ainda não havia feito a transferência.

Sobre o uso do fardamento, Antônio declarou aos policiais que recebeu a farda em uma aldeia onde trabalha, como doação, e não sabia que era ilegal usar uniforme da polícia sem fazer parte da corporação.

Antônio afirmou estar profundamente arrependido, mas foi levado à Delegacia de Água Azul do Norte. Na unidade policial, ele foi autuado pela contravenção penal descrita no artigo 46, que diz respeito a usar publicamente, de uniforme, ou distintivo de função pública que não exerce: “Usar, publicamente, de uniforme, ou distintivo de função pública que não exerce; usar, indevidamente, de sinal, distintivo ou denominação cujo emprego seja regulado por lei.

Sertanejos morrem em grave acidente de carro no interior de São Paulo

Músicos da banda Stillo perderam a vida

Neste domingo, 21, os cantores Guilherme Bastos e Bruno Stanzani, integrante da banda Stillo Universitário, morreram em um acidente de carro.

A tragédia ocorreu em uma estrada localizada entre as cidades de Iacanga e Ibitinga, no interior de São Paulo, e os artistas que cantavam música sertaneja faleceram no local.

De acordo com notícia divulgada pelo portal UOL, os bombeiros de Ibitinga informaram que Guilherme e Bruno estavam com outros componentes do grupo dentro do veículo na hora em que colidiram com a traseira de um caminhão.

No Instagram da banda Stillo Universitário, a morte foi dada com pesar. “Já deixam saudades. Que Deus os receba em seus braços e conforte a todos nós”, dizia uma postagem feita em homenagem aos cantores sertanejos.

Helder Barbalho está em Bragança

“Bom dia, amigos! Ontem foi dia de conhecer a imagem vencedora do concurso que realizamos através da Secult para substituir a estátua do santo padroeiro da cidade de Bragança, que infelizmente desabou em maio deste ano.

Quero agradecer a todos os envolvidos neste processo como o TRE/PA, pela parceria com as urnas para a votação; o Teatro Museu da Marujada, por ceder o espaço; os artesãos, pela dedicação e toda a população de Bragança, que escolheu de forma democrática a imagem que mais representa toda essa devoção do povo bragantino.

Parabéns ao vencedor Valdeci dos Santos, que teve 752 votos. Ele que é escultor há 25 anos e já havia trabalhado na reforma da antiga imagem. A partir de agora, seguiremos com a construção do novo monumento tão importante pra cultura de Bragança. Viva São Benedito! @ Bragança, Para, Brazil”

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé
A imagem pode conter: 1 pessoa

Agnaldo Timóteo deixa hospital após 59 dias: “estava morto”

 | Reprodução

O cantor Agnaldo Timóteo deixou o Hospital das Clínicas, em São Paulo, na tarde desta sexta-feira (19). Em entrevista na saída do hospital, o cantor de 82 anos se emocionou e desabafou sobre receber alta após 59 dias internado.

“Voltar pra casa e continuar o tratamento pra recuperar um pouco do que perdi. Eu só quero fazer um registro: Que Jesus Cristo esteja ao lado do governador da Bahia (Rui Costa) e seu vice (João Leão). A audácia, coragem e percepção desses dois salvaram a vida de um cantor popular”, disse Agnaldo.

Ao ser questionado se em algum momento teria desanimado, o cantor disparou: “Como é que eu vou saber? Eu estava morto, estava entubado. Hoje, não. Estou aqui vendo um quintal maravilhoso e gostaria de fazer um agradecimento ao Hospital das Clínicas pela maravilhosa qualidade dos seus funcionários”

Esquema ilegal no Pará movimenta 20 toneladas de ouro e R$ 3 bilhões por ano

Um ambiente de intensa degradação humana e ambiental nos garimpos amazônicos
Um esquema criminoso na Amazônia, posto em prática por garimpeiros ilegais e empresas autorizadas a atuarem no mercado de metais preciosos, vem movimentando milhões de reais, segundo matéria de ontem do Fantástico, da Rede Globo. O problema é antigo, inclusive a degradação social e ambiental na região banhada pelo rio Tapajós, que engloba Itaituba e Santarém. Garimpeiros vivem num regime semelhante à escravidão.
Nenhum governo teve coragem de enfrentar o problema, enquanto a atividade ilegal cresce e promove fortunas de meia dúzia de barões que enchem os bolsos com o produto vendido nas praças de São Paulo, Rio, Paraná e outros estados do sul e sudeste.
De acordo com a reportagem, as pedras são extraídas de forma ilegal da Bacia do Rio Tapajós, no Pará, e no último ano foram responsáveis por movimentar 20 toneladas pelas contas da Agência Nacional da Mineração (ANM) , com valor equivalente a R$ 3 bilhões.
Diz a matéria que funcionários de instituições financeiras, autorizadas a negociar o minério, passaram a comprar ouro sem o documento que comprova a origem legal do minério. Neste etapa do processo que o Ministério Público e a Polícia Federal descobriram a fraude milionária.

Líder de grupo terrorista revela plano para matar presidente Bolsonaro

Em 1º setembro do ano passado, ninguém deu atenção a uma mensagem no Facebook que trazia uma ameaça ao então deputado Jair Bolsonaro. O autor escreveu que testaria “a valentia” do então candidato do PSL à Presidência da República quando os dois se encontrassem e que ele “merecia” levar um tiro na cabeça. Ninguém deu atenção à postagem porque ameaças assim quase sempre não passam de bravatas. Ninguém deu atenção porque o autor, um garçom desempregado, também costumava publicar em sua página na rede social textos desconexos e teorias conspiratórias absolutamente sem sentido. Parecia coisa de maluco. Cinco dias depois, no entanto, Adélio Bispo de Oliveira, o autor da mensagem, esfaqueou Bolsonaro em uma passeata em Juiz de Fora (MG). O agressor de fato era um desequilibrado mental, mas o atentado ensinou que ameaças não devem ser subestimadas, por mais improváveis que pareçam.

 ALERTA -Jair Bolsonaro: alvo da SSS, organização que se diz ecoextremista

ALERTA -Jair Bolsonaro: alvo da SSS, organização que se diz ecoextremista (Ueslei Marcelino/Reuters)

Há seis meses a Polícia Federal caça, ainda sem sucesso, os integrantes de um grupo terrorista que já praticou pelo menos três atentados a bomba em Brasília e anuncia como seu objetivo mais audacioso matar o presidente da República. Nas duas últimas semanas, VEJA entrevistou um dos líderes da Sociedade Secreta Silvestre (SSS), que se apresenta como braço brasileiro do Individualistas que Tendem ao Selvagem (ITS), uma organização internacional que se diz ecoextremista e é investigada por promover ataques a políticos e empresários em vários países. O terrorista identifica-se como “Anhangá”. Por orientação do grupo, o contato foi feito pela deep web, uma espécie de área clandestina da internet que, irrastreável, é utilizada como meio de comunicação por criminosos de várias modalidades.

Anhangá garante que o plano para matar Bolsonaro é real e começou a ser elaborado desde o instante em que o presidente foi eleito. Era para ter sido executado no dia da posse, mas o forte esquema de segurança montado pela polícia e pelo Exército acabou fazendo com que o grupo adiasse a ação. “Vistoriamos a área antes. Mas ainda estava imprevisível. Não tínhamos certeza de como funcionaria”, afirma o terrorista. Dias antes da posse, a SSS colocou uma bomba em frente a uma igreja católica distante 50 quilômetros do Palácio do Planalto. O artefato não explodiu por uma falha do detonador. No mesmo dia, a SSS postou um vídeo na internet reivindicando o ataque e revelando detalhes da bomba que só quem a construiu poderia conhecer. Nessa postagem, o grupo também anunciou que o próximo alvo seria o presidente eleito, o que levou as autoridades a sugerir o cancelamento do desfile em carro aberto. “Facilmente poderíamos nos misturar e executar este ataque, mas o risco era enorme (…) então seria suicida. Não queríamos isso.” Na ação seriam usados explosivos e armas. “A finalidade máxima seriam disparos contra Bolsonaro ou sua família, seus filhos, sua esposa.”

 EM VÍDEO – Incêndio de carros do Ibama em Brasília: o grupo gravou as cenas

EM VÍDEO – Incêndio de carros do Ibama em Brasília: o grupo gravou as cenas (CBMDF/Divulgação)

Depois disso, em abril, dois carros do Ibama foram incendiados em um posto do órgão em Brasília. Em meio aos escombros, encontraram-se palitos de fósforo, restos de fita adesiva e vestígios de um líquido inflamável. No local, havia pichações com ameaças de morte ao ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente. De novo, num vídeo postado na internet clandestina, o grupo assumiu a responsabilidade pelo atentado e exibiu o material utilizado durante o ataque, oferecendo provas de que era mesmo o autor do crime. De acordo com Anhangá, foi mais um aviso, dessa vez endereçado diretamente a Ricardo Salles. “Salles é um cínico, e não descansará em paz, quando menos esperar, mesmo que saia do ministério que ocupa, a vez dele chegará. (…) É um lobo cuidando de um galinheiro”, diz o extremista, que alerta para a existência de um terceiro alvo no governo: Damares Alves, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos. “(Ela)se tornou a cristã branca evangelizadora que prega o progresso e condena toda a ancestralidade. O eco-extremismo é extremamente incompatível com o que prega o seu ministério”, diz.

 RECADO – Bomba em frente a uma igreja de Brasília: o primeiro recado da SSS

RECADO – Bomba em frente a uma igreja de Brasília: o primeiro recado da SSS (./Reprodução)

Os terroristas brasileiros vêm sendo monitorados pelas autoridades há algum tempo. Um relatório elaborado pela diretoria de inteligência da PF intitulado “Informações sobre Sociedade Secreta Silvestre” descreve que, em 2017, uma bomba foi deixada na rodoviária de Brasília. O documento, obtido por VEJA, ressalta que a imprensa não noticiou o atentado, mas, mesmo assim, os detalhes foram divulgados num site do grupo chamado Sociedade Secreta Silvestre, traduzidos para diversos idiomas e assinados por uma pessoa identificada como “Anhangá”. Em dezembro, depois da ameaça ao presidente Bolsonaro, a Polícia Federal decidiu pôr no caso os melhores agentes da seção antiterrorismo. Os policiais já seguiram várias pistas. Três suspeitos chegaram a ser presos. Mas os integrantes do grupo ainda não foram identificados. Anhangá provoca: “(Eles)são incompetentes (…). Não somos meros amadores, dominamos técnicas de segurança, de engenharia, de comportamento social. (…) Discutimos internamente com membros de outros países”.

Assim como para outros grupos, a internet exerce um papel importante na organização e divulgação de ideias. Os comunicados e vídeos do grupo terrorista ITS são postados num site chamado Maldición Eco-­extremista, traduzido para diversos idiomas. Foi por meio desse canal que VEJA solicitou uma entrevista com um integrante do ITS-Brasil. Um e-mail criptografado, de um servidor localizado na Suíça, indicou um endereço eletrônico para o qual deveriam ser enviadas as perguntas. Pouco tempo depois, Anhangá apareceu e disse que estava à disposição para esclarecer as dúvidas da reportagem. A partir daí, foi mandado um link de um chat privado, em que as mensagens eram destruídas após 24 horas. Nesse canal, foram feitas três entrevistas, reproduzidas ao longo destas páginas. Em fevereiro de 2019, a rede de televisão francesa TV5Monde utilizou o mesmo caminho para entrevistar o fundador do ITS, que se apresentou como “Xale”. A reportagem informava que o grupo tinha ramificação no Brasil.

 EMBOSCADA – Aeroporto de Congonhas: o grupo planejou metralhar um ministro do STF na área de desembarque

EMBOSCADA – Aeroporto de Congonhas: o grupo planejou metralhar um ministro do STF na área de desembarque (Alf Ribeiro/Folhapress)

O máximo que Anhangá (que quer dizer espírito que protege os animais, em tupi-guarani) revela sobre si é que é do sexo masculino, tem entre 20 e 30 anos, está em Brasília e é um radical defensor da natureza. Com as vidas humanas, já não demonstra a mesma preocupação. Segundo ele, o presidente é um “estúpido populista” que “falha com sua segurança” e anda “sem uma proteção adequada”, o que facilita o atentado. Quando isso pode acontecer? “Um ataque a Jair Bolsonaro será sempre uma possibilidade latente.” Por quê? “Bolsonaro e sua administração tem declarado guerra ao meio ambiente.” Já há alguma preparação? “Tentamos sempre adquirir explosivos e armas mais potentes.” Onde? “Estudamos semanalmente nossos alvos.” Pode ser tudo bravata? Até pode, mas as evidências que se tem até agora apontam para o sentido contrário. Num inquérito sigiloso obtido por VEJA, a própria PF destaca que o grupo continua praticando atos criminosos com “extrema gravidade” e mostrando “profusão de ideias violentas e extremistas, além de divulgar ameaças contra a vida do Bolsonaro”. Isso, por si só, já se enquadra em crime de terro(leia mais nesta reportagem).

As ameaças contra autoridades de Brasília não envolvem apenas o Executivo. Em março, por determinação do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), foi instaurado um inquérito para apurar a origem de ataques a magistrados nas redes sociais. Numa primeira fase, os investigadores identificaram pessoas que usavam a internet para difundir notícias falsas e pregar agressões contra os ministros. Foi o caso de um advogado alagoano que publicou uma mensagem em que falava da necessidade de “matar aquele débil mental do irmão mongol do ministro Toffoli”. O irmão do ministro é portador de síndrome de Down. Identificado, o advogado prestou depoimento e disse que tudo não passava de bravata.

 DO VIRTUAL PARA O REAL – Suzano: o massacre começou em fórum da internet

DO VIRTUAL PARA O REAL – Suzano: o massacre começou em fórum da internet (./Reprodução)

Mas não foi apenas isso. VEJA apurou que o inquérito do STF também reuniu evidências de um plano real de ataque contra um ministro da Corte. Os investigadores descobriram que um grupo havia monitorado durante algum tempo a rotina de um dos magistrados, cujo nome é mantido em sigilo, e de sua família, que mora em São Paulo. O objetivo era definir o melhor lugar para uma emboscada, e o local escolhido foi o Aeroporto de Congonhas. Por questões de segurança, autoridades e políticos têm acesso a salas vip em aeroportos. A ideia dos criminosos era cercar o carro do ministro na saída do terminal e metralhá-lo. “Eles diziam que ‘iam abrir fogo’”, revela um magistrado que teve acesso à investigação, conduzida pelo ministro Alexandre de Moraes.

Curiosamente, o plano foi discutido em um chat da deep web também frequentado pelos estudantes Guilherme Monteiro e Luiz Henrique de Castro. Para quem não lembra, em março esses dois rapazes invadiram uma escola em Suzano, no interior de São Paulo, executaram cinco alunos e duas funcionárias e depois se mataram. No chat, o grupo que planejava o ataque ao ministro do STF trocava informações com os assassinos da escola. Por orientação da Polícia Federal, os juízes mudaram sua rotina e ampliaram o esquema de segurança. “Esse caso é diferente dos que já encontramos. Não se trata de alguém fazendo um desagravo ou uma bravata pela internet. Eram dois grupos distintos tramando dois ataques. O primeiro aconteceu. Não era brincadeira”, diz o mesmo magistrado. Infelizmente, o terrorismo, que durante tanto tempo não figurou entre as preocupações brasileiras, agora precisa ser levado a sério. Que os responsáveis sejam presos e punidos — antes que cometam as tais atrocidades que prometem.

 INVESTIGAÇÃO - Alexandre de Moraes: ameaças não eram bravatas

INVESTIGAÇÃO - Alexandre de Moraes: ameaças não eram bravatas (Marcelo Chello/CJPress/.)


POSSIBILIDADE LATENTE

A conversa com o representante da SSS foi realizada através de um chat* na deep web. “Anhangá” confirma que o objetivo do grupo é matar o presidente

VEJA 
O presidente da República, Jair Bolsonaro, é um dos alvos? Por quê?

Anhangá
Bem, ser um alvo ele é, só é bastante difícil às vezes de elaborar algo para alcançá-lo. Como ele é um estúpido populista às vezes falha com sua segurança e sai aqui em Brasília aleatoriamente sem uma proteção adequada. Ou em outros lugares como no Rio de Janeiro. As motivações carecem de justificativas porque são óbvias. Bolsonaro e sua administração tem declarado guerra ao meio ambiente, a Amazônia especialmente, tem feito de órgãos que teoricamente deveriam proteger a natureza catapultas para negócios danosos, facilitadores de exploração mineira, madeireira, caças, agropecuária, etc.

E isso de maneira intensa e explícita.

Proposital.

É um negacionista da catástrofe climática.

VEJA 
Mas vocês ainda avaliam fazer um ataque ao presidente da República?

Anhangá 
Um ataque a Jair Bolsonaro será sempre uma possibilidade latente. ITS-México feriu uma senadora mexicana com um livro-bomba, se não estou equivocado. ITS-Chile por pouco não mata o presidente de uma das maiores estatais do país com um pacote-bomba há dois meses, mais ou menos. Estas pessoas do alto escalão não são intocáveis, só é preciso saber das vulnerabilidades. As pessoas pensam que estamos parados, mas estudamos semanalmente nossos alvos, e tentamos sempre adquirir explosivos e armas mais potentes. Se a oportunidade bate em nossa porta Bolsonaro acabará como Luis Donaldo Colosio (político mexicano, morto em atentado em 1994).

*Foi mantida a grafia normal


NA CERIMÔNIA DE POSSE

“Conseguiríamos se tivéssemos tentado”

 RECUO – Posse de Bolsonaro: um forte esquema de segurança impediu o ataque

RECUO – Posse de Bolsonaro: um forte esquema de segurança impediu o ataque (Andre Penner/AP)

VEJA
Em relação à posse presidencial, qual era o plano de atentado?

Anhangá
Dificilmente conseguiríamos acessar a área restrita, havia barreiras e detectores de metal. Não era certo uma vista de longe para disparos, e mesmo que fosse, a área estava bastante vigiada por câmeras e atiradores, seriam deixadas sacolas com explosivos, na verdade iria atingir público, essa é a verdade.

Isso era viável.

Foi um público considerável, e facilmente poderíamos nos misturar e executar este ataque, mas o risco era enorme, e era previsível um ataque, então seria suicida.

Não queríamos isso.

E pensamos bem, outros membros de fora aconselharam também.

VEJA
Vocês desistiram, então, por causa da estrutura de segurança do evento?

Anhangá
De certo modo sim.

O risco era grande.

Mas conseguiríamos se tivéssemos tentado.

Só não é certo se sairíamos vivos.

VEJA
O que estava preparado?

Anhangá
Como mencionei, explosivos de extintores de incêndio e uma arma.

VEJA
Qual seria a finalidade da arma?

Anhangá
A finalidade máxima seriam disparos contra Bolsonaro ou sua família que desfilaria, seus filhos, sua esposa, o núcleo, mas sabemos que isso dificilmente aconteceria, mas essa era a finalidade. Não sabíamos se teríamos campo de visão para isso.


O MINISTRO DO MEIO AMBIENTE É ALVO

“Um lobo cuidando de um galinheiro”

 INIMIGO – Salles e a “destruição”

INIMIGO – Salles e a “destruição” (Ueslei Marcelino/Reuters)

VEJA
Vocês também ameaçaram de morte o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Qual a razão disso?

Anhangá
Salles é um cínico, e não descansará em paz, quando menos esperar, mesmo que saia do ministério que ocupa, a vez dele chegará. Aquele sujeito já chegou a adulterar documentos para beneficiar mineradoras. Tudo o que faz e declara é antagônico ao cargo que ocupa. É um lobo cuidando de um galinheiro.

Ele foi condenado por isso.

É um aliado de empresas, mineradoras e ruralistas.

E não por acaso foi escolhido por Bolsonaro.


A MINISTRA NA MIRA

“A cristã branca que prega o progresso”

 INIMIGA – Damares e o “progresso” Alves

INIMIGA – Damares e o “progresso” Alves (Jorge William/Agência O Globo)

VEJA
Por que, além de Bolsonaro, vocês ameaçaram a ministra Damares Alves?

Anhangá
Pelo símbolo que ela se tornou, a cristã branca evangelizadora que prega o progresso e condena toda a ancestralidade. Outro motivo é que o eco-extremismo é extremamente incompatível com o que prega o seu ministério, é um choque filosófico.


AS INVESTIGAÇÕES DA PF

“Não somos meros amadores”

 (./.)

 PREVENÇÃO – A Polícia Federal prendeu, em 2016, dez suspeitos de terrorismo. O documento acima mostra que a PF agora está no encalço da SSS

PREVENÇÃO – A Polícia Federal prendeu, em 2016, dez suspeitos de terrorismo. O documento acima mostra que a PF agora está no encalço da SSS (Ed Ferreira/Brazil Photo Press/)

VEJA
Por que até hoje a Polícia Federal não descobriu a identidade de vocês?

Anhangá
Porque são incompetentes e porque não somos meros amadores. Aqueles idiotas da Operação Hashtag foram presos enquanto preparávamos quase 10 quilos de explosivo. Não somos meros amadores, dominamos técnicas de segurança, de engenharia, de comportamento social. Pra falar a verdade discutimos internamente com membros de outros países e chegamos a conclusão que das polícias de cada país onde opera ITS a do Brasil é a mais avançada, mas ainda sim não foi capaz.

*de que

Como costumamos dizer, caminhamos com uma lebre, silenciosamente.

Publicado em VEJA de 24 de julho de 2019, edição nº 2644